Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Centralizador, presidente de El Salvador quer cortar número de municípios

Medida teria fins eleitorais, segundo oposição, à medida que partido de Nayib Bukele controla grande parte das regiões afetadas

Por Da Redação
Atualizado em 2 jun 2023, 17h31 - Publicado em 2 jun 2023, 17h29

Como parte de um projeto centralizador, o presidente de El Salvador, Nayib Bukele, expressou na quinta-feira, 1, o seu desejo de reduzir de 262 para 44 os municípios do país sob a justificativa de diminuir a carga tributária. Com um eventual sinal verde da Assembleia Legislativa, controlada pelo partido e por aliados de Bukele, o mandatário pretende também cortar o número de parlamentares do órgão de 84 para 60.

Durante o discurso que marcou seu quarto ano de mandato, o líder salvadorenho alegou que os nomes dos municípios não seriam perdidos, apenas convertidos em distritos. O partido Novas Ideias, o qual Bukele é afiliado, controla grande parte dessas regiões.

“Como é possível que num território de 8.100 milhas quadradas (21.000 quilômetros quadrados) tenhamos 262 municípios?”, disse, sendo recebido por gritos de “reeleição”.

+ El Salvador prorroga estado de emergência para ‘combater gangues

Continua após a publicidade

Em resposta ao projeto, o partido conservador Aliança Nacional Republicana (Arena) afirmou que a decisão de Bukele teria fins eleitorais, apesar da reeleição consecutiva ser proibida, segundo interpretações da Constituição do país. Reformulada pelo partido do presidente, a Câmara Constitucional da Suprema Corte orientou as autoridades eleitorais para que reeleições nessa modalidade fossem autorizadas. A ação está sendo considerada.

“O presidente muda a distribuição política do país com fins eleitorais”, disse a delegação do partido nas redes sociais.

Recentemente, Bukele ganhou proeminência por sua atuação no combate às gangues no país. Em abril, ele pediu ao Congresso local para que o decreto de emergência anti-gangues, popular entre os salvadorenhos, fosse prolongado. Cerca de 67 mil pessoas foram presas desde o início da medida, em março de 2022.

Continua após a publicidade

+ Aniversário da primeira-dama de El Salvador, em meio à onda de violência

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos solicitou que o governo do país restaure direitos suspensos a partir do decreto. Segundo organizações locais, foram contabilizadas 111 mortes sob custódia e 5.802 casos suspeitos de violações, em um contexto de relatos de tortura nas penitenciárias. Os poderes especiais garantem que a polícia não seja obrigada a justificar o motivo da prisão e que o detido não seja representado por um advogado.

“Essa medida de segurança ajudou a transformar o país”, defendeu o ministro da Segurança, Gustavo Villatoro, no pedido de prorrogação. “Os homicídios caíram significativamente. Sem dúvida, estamos no caminho certo”.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.