Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

El Salvador prorroga estado de emergência para ‘combater gangues’

Desde que a controversa medida foi implementada, há quatro meses, 46.000 pessoas foram presas por suspeita de pertencer a gangues

Por Da Redação
Atualizado em 20 jul 2022, 10h18 - Publicado em 20 jul 2022, 10h14

O governo de El Salvador estendeu nesta quarta-feira, 20, um controverso estado de emergência por mais um mês – pela quarta vez seguida. O país vive sob medidas especiais desde março, com a justificativa de combater a violência desenfreada das gangues.

Desde que o estado de emergência foi implementado pelo presidente Nayib Bukele, há quatro meses, 46.000 pessoas foram presas por suspeita de pertencer a gangues, em um país cuja população soma 6,5 milhões de pessoas. Ou seja, quase 1% da população.

Grupos de direitos humanos dizem que as medidas, que permitem à polícia prender suspeitos sem mandados, levaram a detenções arbitrárias. Mas o governo argumenta que elas tornaram o país mais seguro.

Um grupo local de direitos humanos diz que dezenas de pessoas morreram enquanto estavam detidas.

A prorrogação foi aprovada por 67 votos a favor e 15 contra na Assembleia Legislativa, onde os aliados do presidente Nayib Bukele são maioria.

Continua após a publicidade

O estado de emergência foi implementado em 27 de março, após um fim de semana particularmente violento durante o qual 87 pessoas foram mortas. Originalmente, deveria durar 30 dias, mas desde então foi prorrogado quatro vezes e agora estará em vigor por mais um mês, até o final de agosto.

Sob as medidas de emergência, certos direitos constitucionais, como o direito de fazer reuniões, foram restringidos e as forças de segurança receberam mais liberdade para realizar prisões. As penas para membros de gangues também foram aumentadas.

+ “Cadeia ou morte”: lema bomba aprovação do presidente de El Salvador

Grupos de direitos humanos dizem que, entre os presos durante o estado de emergência, estão crianças que não têm vínculos com gangues. A Anistia Internacional disse que a medida excepcional “prejudicou os direitos de defesa, a presunção de inocência, recurso judicial efetivo e acesso a um juiz independente”.

Continua após a publicidade

O grupo de direitos salvadorenho Cristosal documentou 63 casos de pessoas presas durante o estado de emergência que morreram na prisão. Segundo o grupo, entre os que morreram havia pessoas com diabetes e problemas renais, que não receberam a medicação necessária enquanto estavam sob custódia.

Parlamentares alinhados com o governo, no entanto, elogiaram o estado de emergência. Caleb Navarro, do partido Nuevas Ideas (Novas Ideias), do presidente, disse que, graças às medidas, El Salvador “deixou de ser o país mais perigoso do mundo”.

O ministro da Defesa, René Merino Monroy, também rejeitou as críticas de organizações internacionais, dizendo que “não precisamos de conselhos de ninguém para enfrentar o crime, nem daqui nem de fora do país”.

“O que estamos fazendo rendeu resultados enormes”, disse ele.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.