Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Brasileira detida nos EUA diz que sofreu maus-tratos em abrigo

A família da adolescente Anna Stéfane Radeck, que ficou detida em um abrigo em Chicago, pretende processar o governo americano pelo tratamento

Depois de ficar 20 dias detida em um abrigo para menores imigrantes em Chicago, nos Estados Unidos, a adolescente Anna Stéfane Radeck, de 17 anos, retornou ao Brasil. A realidade do período que passou longe de casa, porém, é pior do que a família imaginava. De acordo com seu pai, Sérgio Ferreira, Stéfane contou ter passado fome e frio, além de constantes ameaças.

Nas poucas chances que teve de contatar a família, em duas ligações semanais, a adolescente relatou estar bem tratada e confortável, assim como nas vezes em que encontrou a mãe, Liliane Carvalho. Já em casa, Stéfane disse ao pai que os assistentes sociais ameaçavam que ela passaria mais tempo detida caso falasse o que estava passando. “Tudo que ela nos falava era gravado e, por isso, diziam que ela seria punida se ouvissem algo negativo”, afirmou.

Nem sempre sentar à mesa do refeitório significava que Stéfane poderia comer. Segundo o pai, os alimentos não eram suficientes para todos os menores detidos e, por isso, as últimas mesas muitas vezes não recebiam as refeições. “Não era digno. Diziam que eles estavam comendo às custas do governo americano, gastando dinheiro”, comentou Sérgio. A adolescente também relatou ter passado por “outras situações horríveis” que prefere não levar a público, por serem “ainda mais humilhantes”.

Leia mais:
Brasileira que ficou detida nos EUA já está no Brasil
Juiz se desculpa em nome do governo por detenção de jovem nos EUA

Brasileira barrada na imigração está presa nos EUA sem explicação

O momento da saída, tão aguardado pelos pais, parecia estar ainda mais longe para Stéfane. Segundo Sérgio, um dos funcionários do abrigo chegou a dizer à jovem que “nunca viu um advogado conseguir tirar alguém de lá”. Mesmo com data marcada para sua saída desde terça-feira, ela só soube que estava livre minutos antes de ser buscada, na quinta e foi escoltada até o aeroporto, onde encontrou a mãe. Agora, a família pretende processar o governo americano pelo tratamento.

Stéfane foi barrada pela imigração no dia 11 de agosto ao parar para uma conexão em Detroit, Michigan. Ela estava sozinha a caminho de Orlando, para visitar uma tia que mora há dois anos nos Estados Unidos. Mesmo com todos os documentos necessários para a entrada no país, oficiais suspeitaram que a menina pretendia permanecer em território americano além do tempo permitido. Por ser menor de idade e estar desacompanhada, ela foi levada ao abrigo.

Na audiência da última terça, a juíza responsável caso pediu desculpas pela detenção da jovem e disse seu visto para entrar no país seria mantido. “Nem nisso acreditamos mais, eles mentiram para a gente diversas vezes”, afirmou o pai. A família também tem críticas do Consulado Brasileiro em Chicago, que insistiu que a menina estava bem tratada e que não teria prestado assistência suficiente para liberá-la.

Relatos do medo

Stéfane costumava frequentar a biblioteca do abrigo durante sua estada no local. Nos livros, a menina lia recados de outras crianças e adolescentes detidos, que falavam sobre o medo que nunca sairiam ou afirmavam estar lá há meses, sem previsão de saída. De acordo com a advogada Raquel Gross, há outros seis menores brasileiros no abrigo de Chicago, entre eles Lilliana Matte, de 17 anos, cuja família também aguarda a liberação. Segundo Sérgio, uma brasileira de 13 anos foi barrada junto com sua filha, no aeroporto de Detroit, e levada para para mesmo centro, mas não há mais informações sobre o caso.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. João Ninguém

    E olha que o Trump ainda não assumiu….

    Curtir

  2. Mesmo tratamento às americanas aqui, nada mais justo.

    Curtir

  3. Gilson Queiroz

    Sabendo como os brasileiros são desrespeitados, não tenho a menor vontade de conhecer esse país.

    Curtir

  4. lilian sanches

    Acho melhor ela processar a mãe dela.

    Curtir

  5. André Pinheiro

    Vou dar uma idéia às famílias das meninas que passaram por isso. Promovam uma campanha de âmbito nacional, sem a participação de partidos políticos ou movimentos sociais, para promover um amplo boicote ao turismo dos EUA. Nós não somos bem vindos naquela terra maldita.

    Curtir

  6. João Alberto Pinho

    A esquerda no mundo está em crise existencial. Haja dor de cotovelo. Os esquerdistas portugueses devem dar um abraço de afogado ao PT. Adeus para vocês…..

    Curtir