Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Boko Haram sequestra centenas de pessoas em cidade no norte da Nigéria

Segundo moradores, terroristas mataram algumas mulheres e crianças antes de deixarem Damasak, cidade retomada por soldados este mês

Terroristas do Boko Haram sequestraram mais de 500 mulheres e crianças da cidade de Damasak, no norte da Nigéria, que ficou meses nas mãos dos jihadistas e foi retomada este mês por tropas do Níger e do Chade.

“Eles levaram 506 mulheres jovens e crianças. Mataram cerca de 50 delas antes de irem”, declarou à agência de notícias Reuters um comerciante chamado Souleymane Ali. “Não sabemos se eles mataram outras depois que partiram, mas levaram o resto com eles”.

Uma moradora de 40 anos que se identificou como Fana disse que os combatentes reuniram as reféns na principal mesquita da cidade antes de levá-las. Disse ainda que conseguiu salvar suas duas crianças escondendo-as em casa.

Leia também:

Terroristas do Boko Haram juram lealdade ao Estado Islâmico

Boko Haram divulga vídeo com decapitações de acusados de espionagem

Não houve confirmação oficial do número de desaparecidos, mas o grupo já realizou raptos em massa anteriormente. O senador pelo Estado de Borno, Maina Maaji Lawan, disse à rede britânica BBC, que o que aconteceu em Damasak é comum, e que centenas de crianças estão desaparecidas. “Os mais novos eles dão para madrassas [escolas islâmicas] e os meninos com idade entre 16 e 25 anos eles recrutam e doutrinam para usá-los em suas terríveis ações”.

Em abril do ano passado, o Boko Haram provocou revolta internacional ao sequestrar mais de 250 meninas em uma escola na cidade de Chibok, no Estado de Borno. O chefe dos terroristas afirmou que as garotas foram dadas em casamento.

Damasak fica perto da fronteira com o Níger e está a cerca de 200 quilômetros de distância da principal de Maiduguri, principal cidade do Estado de Borno. Depois de retomar a localidade, soldados encontraram os corpos de dezenas de pessoas sob uma ponte na saída de Damasak. Muitas vítimas haviam sido decapitadas.

(Da redação)