Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Irã lança mísseis contra duas bases dos EUA no Iraque

Bombardeio é primeira represália de Teerã ao assassinato do general iraniano Qasen Soleimani; Trump convocou reunião de emergência

Por Da Redação
Atualizado em 8 jan 2020, 00h15 - Publicado em 7 jan 2020, 20h45

A base militar iraquiana de Al Asad, usada pelas tropas da coalizão dos Estados Unidos no país, foi atingida na noite desta terça-feira, 7. Pelo menos 12 mísseis balísticos foram lançados e pelo menos seis deles atingiram o local, de acordo com a imprensa internacional. Também foram disparados foguetes contra uma base americana em Erbil, no norte do Iraque. Ainda não há ainda confirmação oficial sobre  vítimas.

De acordo com a agência de notícias iraniana Fars, o ato é uma retaliação do Irã ao ataque de um drone militar dos EUA que matou o principal comandante militar iraniano Qasem Soleimani, na última sexta-feira, 3. A operação “Martir Soleimani” foi executada pela Guarda Revolucionária do Irã à 1h20 (20h20 em Brasília), o mesmo horário do assassinato do general no último dia 2.

 

Em comunicado, a Casa Branca afirmou estar ciente dos ataques às instalações americanas no Iraque. “O presidente (Donald Trump) foi informado e está monitorando a situação de perto e consultando sua equipe de segurança nacional”, diz o texto. A secretária de imprensa da Casa Branca acrescentou que Trump está “monitorando de perto a situação”, segundo o jornal The Washington Post.

Continua após a publicidade

Uma reunião do gabinete de crise foi convocada por Trump nesta noite para avaliar o ataque e uma possível resposta americana.A rede de televisão CNN informou que os secretários de Defesa, Mark Esper, de Estado, Mike Pompeo, e o chefe das Forças Conjuntas dos Estados Unidos, general Mark Milley, já ingressaram na Casa Branca.

O Departamento de Defesa sustentou que tomará as medidas necessárias para proteger as forças americanas. “Estamos trabalhando na avaliação dos prejuízos iniciais”, afirmou o porta-voz do Pentágono, Jonathan Hoffman por meio de comunicado.

Continua após a publicidade

O principal negociador nuclear do Irã, Saeed Jalili, que também é político e representante do Líder Supremo, postou no Twitter uma imagem da bandeira iraniana após relatos de ataques à base aérea de Al-Asad. Donald Trump fez o mesmo com a bandeira dos Estados Unidos logo após o ataque que matou Suleimani.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, visitou o local em dezembro de 2018. Pouco depois, em março de 2019, ele afirmou que as tropas americanas permaneceriam na base para ‘apoiar’ o Irã após derrotarem o Estado Islâmico.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.