Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Austrália retoma buscas do voo MH370 no Índico

Dois navios vão conduzir sondas submarinas para fazer uma nova varredura no fundo do oceano. Boeing 777 desapareceu com 239 pessoas a bordo

Por Da Redação 6 out 2014, 09h25

Sete meses depois do misterioso desaparecimento do voo MH370 da Malaysia Airlines, a busca submarina foi retomada nesta segunda-feira no Oceano Índico, provável local da queda do avião, anunciaram autoridades australianas. Depois de uma primeira fase de buscas sem resultados na superfície e em profundidade, uma embarcação especializada fretada pela Malásia começou a rastrear o fundo do mar para tentar localizar destroços do Boeing 777 desaparecido em 8 de março, pouco depois de decolar de Kuala Lumpur com destino a Pequim, com 239 pessoas a bordo.

“O navio ‘GO Phoenix’, com material e especialistas disponibilizados pela Phoenix International, chegou à região de busca, no Oceano Índico, e começou as operações de exploração submarina”, anunciou a agência australiana de segurança dos transportes. O Go Phoenix e o Fugro Discovery – fretado pela Austrália – devem submergir a 5.000 ou 6.000 metros potentes sonares programados para detectar as partes volumosas do avião, como motores, trem de pouso e fuselagem.

Leia também

MH370: divulgadas novas imagens 3D da área de busca

MH370: telefonema traz nova pista sobre avião desaparecido

Continua após a publicidade

MH370: polícia dispersa ato em homenagem aos 6 meses de acidente

O contato com a cabine foi perdido após uma hora de voo e desde então nenhum vestígio físico da aeronave foi encontrado. Os sistemas de comunicação foram captados diversas vezes por satélites e isto permitiu reconstituir a suposta trajetória até a possível queda no mar, ao sul do Oceano Índico, na altura da costa oeste da Austrália.

Saiba mais:

O tamanho da encrenca na busca pelo avião desaparecido

Várias hipóteses foram mencionadas, desde um ataque de loucura do piloto ou copiloto até um sequestro, passando por uma falha mecânica grave. A explicação mais plausível, segundo os coordenadores da investigação, é que uma queda brusca do nível de oxigênio a bordo deixou tripulantes e passageiros inconscientes. O avião seguiu voando no piloto automático até cair por falta de combustível. Dos 239 passageiros e tripulantes, 153 eram chineses.

(Com agência France-Presse)

Continua após a publicidade

Publicidade