Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Assessor diz que é ‘irrelevante’ onde Obama estava durante ataque em Bengasi

Em um giro por emissoras americanas, Dan Pfeiffer tentou defender governo

Por Da Redação 19 Maio 2013, 15h40

O porta-voz do presidente Barack Obama, Dan Pfeiffer, disse em entrevista ao programa televisivo Fox News neste domingo que é “irrelevante” o local em que o democrata estava durante o ataque ao consulado dos Estados Unidos em 11 de setembro de 2012. A administração Obama está em maus lençóis depois que três escândalos estouraram sobre a Casa Branca na semana passada. O primeiro deles envolve provas de que o governo, para salvar a própria pele, manipulou informações sobre o ataque que matou o embaixador Christopher Stevens e outros três funcionários do consulado.

Leia também:

Em meio a escândalos, Casa Branca aposta em ‘agenda positiva’

Governo Obama sabia de abusos do Fisco antes da eleição

Com escândalo sobre Bengasi, Obama fala em aumentar segurança das embaixadas

Continua após a publicidade

Questionado sobre o paradeiro do presidente durante o ataque, Pfeiffer minimizou a importância da questão. “Eu não lembro em que sala o presidente estava naquela noite, e esse é um fato irrelevante”. O jornalista Chris Wallace, então, lembra Pfeiffer que Obama não havia conversado direito com a então secretária de Estado, Hillary Clinton, nem com o secretário de Defesa, Leon Panetta. “Ele estava conversando com seus assessores de segurança nacional”, insistiu o assessor. Em seguida, o assessor disse que as perguntas de Wallace eram ofensivas.

Em entrevista a outra rede de televisão, a ABC, o assessor de Obama disse que o governo não entraria em “pescarias partidárias” em referência à perseguição do Fisco americano a conservadores que pediam isenção de impostos. No entanto, Pfeiffer sugeriu a possibilidade de mudanças no IRS, órgão equivalente à Receita Federal. “Nós já vimos essa estratégia com os republicanos antes. O que eles querem fazer quando estão sem uma agenda positiva é arrastar Washignton em um pântano de pescarias partidárias, truncado em falsas alegações. Não deixaremos isso acontecer”, acusou. Pfeiffer também prometeu que a administração Obama “jamais deixará isso acontecer de novo”, em referência à perseguição política.

Escândalos – O IRS, órgão dos Estados Unidos equivalente à Receita Federal, foi acusado de perseguir grupos conservadores que tentavam conseguir isenção de impostos. O fisco utilizou palavras-chave como “tea party” e “patriot” para examinar minuciosamente as organizações consideradas inimigas políticas de Obama. O procedimento adotado pelo órgão mostra uma clara tentativa de limitar as vozes contrárias durante as eleições presidenciais do ano passado – exatamente o período em que aumentaram as reclamações contra as revisões feitas pelo Fisco.

Saiba mais: Escândalo traz à tona nova tática do Fisco – vasculhar o Facebook

Além disso, o vazamento de uma troca de e-mails entre autoridades dos Estados Unidos e o então chefe da CIA, David Petraeus, comprovou que as informações preliminares sobre o ataque ao consulado em Bengasi no ano passado foram maquiadas para proteger o governo dois meses antes das eleições presidenciais.

Continua após a publicidade
Publicidade