Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Acordo entre Argentina e Irã livraria terroristas, diz agência

Cristina Kirchner foi acusada de traição à pátria por supostamente tentar encobrir os culpados do atentado terrorista de 1994

Por EFE Atualizado em 13 dez 2017, 20h18 - Publicado em 13 dez 2017, 19h42

Argentina  e Irã acordaram em pedir a retirada dos alertas de captura dos iranianos acusados do ataque ao prédio da Associação Mutual Israelita Argentina (AMIA) em Buenos Aires, em 1994. O trato fazia parte do pacto bilateral assinado em 2013, pelo qual a ex-presidente Cristina Kirchner é acusada de traição à pátria.

Segundo a agência EFE, a informação teria sido confirmada pelo governo do Irã, em uma carta dirigida ao chanceler argentino Jorge Faurie em 4 de novembro. A mensagem aponta que, após a assinatura do Memorando de Entendimento entre os dois países, ambas chancelarias solicitaram à Interpol tirar os alertas vermelhos sobre os iranianos acusados na Argentina pelo atentado, que deixou 85 mortos e segue impune.

O Memorando foi declarado inconstitucional na Argentina e nunca chegou a ser ratificado no Irã.

“Imediatamente depois da assinatura do memorando, os então ministros de Relações Exteriores do Irã e da Argentina, cumprindo com o artigo 7 do mesmo, enviaram uma carta conjunta ao Secretário-Geral da Interpol se referindo ao acordo alcançado entre os dois países para colaborar em nível bilateral (e) solicitaram à Interpol pôr fim às obrigações com relação à causa AMIA”, afirma o texto.

A informação sobre o conteúdo da carta foi confirmada pela Delegação de Associações Israelitas da Argentina (DAIA), um dos autores do processo de investigação do acordo bilateral. A mensagem já foi incluída como evidência no caso dirigido pelo juiz Claudio Bonadio.

Continua após a publicidade

No entanto, o ex-Secretário-Geral da Interpol Richard Noble revelou no Twitter que os pedidos de captura contra os iranianos sempre estiveram vigentes e que a Argentina nunca solicitou suspendê-los.

O caso

Em 7 de dezembro, Bonadio determinou a prisão de Cristina, atual senadora, por traição à pátria derivada do suposto encobrimento dos cidadãos acusados do ataque à AMIA por meio desse pacto com o Irã. O juiz pediu ao Senado a eliminação da imunidade parlamentar da ex-presidente.

O expediente judicial foi aberto após a denúncia do promotor Alberto Nisman, realizada em janeiro de 2015 contra ela e vários membros de seu Governo. Segundo Nisman, o pacto entre Irã e Argentina pretendia encobrir os acusados iranianos a fim de melhorar a relação comercial bilateral entre os dois países.

O promotor foi encontrado morto em seu apartamento quatro dias após entregar a denúncia. As condições de sua morte ainda são investigadas.

Cristina e sua equipe negam as acusações desde o início e insistem que o único objetivo do pacto era chegar à verdade do atentado. Em entrevista coletiva na semana passada, a ex-presidente disse que o que realmente foi acordado com o Irã era garantir que os acusados de participação no ataque prestassem depoimento, já que a causa está “totalmente paralisada” porque o Irã não os extradita.

O atentado contra a AMIA, que a comunidade judaica atribui ao Irã e ao grupo xiita Hezbollah, foi o segundo contra judeus na Argentina, depois da morte de 29 pessoas em uma explosão de bomba diante da embaixada israelense. Esse caso também não foi esclarecido até hoje.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)