Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Após espionagem, Hollande diz a Obama que confiança foi “restaurada”

Em encontro na Casa Branca, mandatários trocam elogios e minimizam divergências

Por Da Redação 11 fev 2014, 19h53

“A confiança mútua foi restaurada”. Com esta declaração, o presidente da França, François Hollande, deu por encerradas as divergências com os Estados Unidos relacionadas ao programa de espionagem americano – que atingiu as comunicações telefônicas dos franceses.

“Queremos combater o terrorismo, mas também queremos seguir alguns princípios. Estamos avançando nesta cooperação”, disse Hollande, que foi recebido por Barack Obama nesta terça-feira, na Casa Branca. Esta confiança, acrescentou o mandatário francês, “deve estar baseada, ao mesmo tempo, no respeito de cada um de nossos países e também na proteção à vida privada”.

As revelações feitas pelo ex-analista de inteligência Edward Snowden apontou que a bisbilhotice da Agência Nacional de Segurança (NSA) alcançava governos de outros países. A chanceler alemã, Angela Merkel, e a presidente Dilma Rousseff tiveram suas comunicações pessoais monitoradas. O caso abalou também as relações dos EUA com a Espanha.

Leia também:

Para chanceler brasileiro, discussão sobre espionagem ainda não acabou

Angela Merkel critica NSA em primeiro discurso de seu novo mandato

Após reclamar dos EUA, governo francês quer mais poder para monitorar internet

Para tentar contornar o problema, Obama anunciou em janeiro algumas mudanças que pretende promover nos programas de vigilância – com destaque para a promessa de não mais espionar países amigos. Nesta terça, no entanto, o presidente afirmou que os EUA não têm “acordos de não-espionagem” com nenhum país. “Nós temos, como qualquer outro país, uma capacidade de inteligência e temos parcerias com vários países. E estamos em contato com o governo francês para aprofundar esses compromissos”.

Continua após a publicidade

Saiba mais:

Eu espiono, tu espionas, nós espionamos…

Obama fez a afirmação ao responder a uma pergunta sobre se a França tinha tirado da Grã-Bretanha o posto de mais importante aliado dos EUA e se, com isso, teria direito ao mesmo acordo de não-espionagem. A declaração pode colocar o democrata em situação difícil, como apontou Juan Zarate, analista de segurança nacional da rede CBS News: “É claro que temos acordos tácitos de não espionar alguns de nossos aliados. A administração agora se vê na incômoda posição de ter de explicar quem faz parte e quem está fora dos acordos”.

Leia mais:

François Hollande chega aos EUA – sozinho

Síria – A França, no entanto, parece ter ficado satisfeita com o que ouviu de Obama, e os dois mandatários não pouparam elogios mútuos durante a entrevista coletiva concedida nesta terça. Obama aceitou um convite para ir à França em junho para as comemorações dos 70 anos da invasão da Normandia, durante a II Guerra Mundial.

O governo Obama tem, de fato, uma dívida com o governo francês em relação à Síria. Quando os EUA tentavam angariar apoio para uma invasão militar ao território sírio, depois do ataque químico que deixou 1.400 mortos no subúrbio de Damasco – segundo a contabilidade da Casa Branca – a França foi o país a apoiar de forma mais enfática o plano. Posicionamento que ganhou destaque para o democrata depois do recuo da Grã-Bretanha, com o Parlamento britânico votando contra a intervenção.

Nesta terça, Hollande e Obama reconheceram que as conversas entre representantes do regime sírio e da oposição em Genebra não estão avançando, enquanto a situação no país só piora. “A Síria está desmoronando”, disse Obama, acrescentando que, no momento, não acha que haja uma solução militar para o conflito, mas deixando mais uma vez em aberto a possibilidade do uso da força no futuro.

(Com agência France-Presse)

Continua após a publicidade

Publicidade