Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Adeus, BigMac: Russos formam filas após McDonald’s anunciar saída do país

Símbolo do capitalismo americano, empresa já havia suspendido atividades em março por conta da invasão à Ucrânia

Por Matheus Deccache Atualizado em 3 jun 2022, 21h44 - Publicado em 17 Maio 2022, 16h19

Centenas de pessoas fizeram fila em uma estação de trem em Moscou nesta terça-feira, 17, para comprar pela última vez  em uma das únicas lojas do McDonald’s ainda abertas em toda a Rússia.  

A maior rede de hambúrgueres do mundo anunciou que está deixando a Rússia depois de mais de 30 anos, se tornando mais uma megaempresa a sair do território russo desde o início da invasão à Ucrânia, em 29 de fevereiro. 

A saída do McDonald’s encerra um capítulo para a empresa, que se tornou símbolo do capitalismo americano e foi uma das primeiras a entrar na Rússia durante o processo de queda da União Soviética. 

Em março, a gigante do fast food já havia decidido suspender suas atividades nas mais de 850 lojas espalhadas pelo país, mas, com o avanço da guerra, optou por encerrar definitivamente.

+ ‘Russofobia’: Socialites russas dizem ser impedidas de comprar na Chanel

A inauguração da loja na Praça Pushkin em 31 de janeiro de 1990, no centro de Moscou, quebrou recordes globais quando mais de 30 mil pessoas fizeram fila para comprar um BigMac. 

Continua após a publicidade

.
1990: Policial soviético em frente a primeira unidade do McDonald’s na Rússia Peter Turnley/Corbis/VCG/Getty Images

Agora, a empresa planeja vender 84% de seus restaurantes para compradores locais e não esclareceu como ficará a situação do restante, operado por franqueadores. Os novos donos serão proibidos de usar a marca, o nome e o cardápio do McDonald’s, o que causa preocupação sobre a qualidade do produto. 

----
Inauguração de filial do McDonald’s em Moscou. 03/07/1993 Andrey Filatov/AFP

Analistas apontam, no entanto, que o grupo irá deixar sua marca registrada na Rússia, o que significa que um retorno poderá acontecer no futuro. Desde o início da guerra com a Ucrânia, uma série de marcas dos mais variados setores deixaram a Rússia, como Shell, Unilever, Starbucks e Louis Vuitton.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)