Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Rio-2016: comitê diz que ‘100% dos problemas serão resolvidos’

Nuzman minimizou as falhas na Vila Olímpica e afirmou: 'Pretendemos que até o fim de semana todos os edifícios estejam em ordem'

Com um discurso de que os Jogos Olímpicos do Rio serão bem-sucedidos e tentando minimizar as críticas feitas à organização do evento e aos problemas encontrados na Vila Olímpica, o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, do Esporte, Leonardo Picciani, e o presidente Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e paralímpicos Rio 2016, Carlos Arthur Nuzman, concederam coletiva de imprensa e afirmaram que até o dia da abertura, 5 de agosto, “100% dos problemas estarão resolvidos”.

“Pretendemos que até o fim de semana todos os edifícios estejam em ordem. Se eu for enumerar tudo que está bom e que ninguém falou, vocês não terão espaço”, disse Nuzman aos jornalistas. O presidente do Comitê Rio-2016 afirmou ainda que nas edições passadas também foram registrados problemas antes da abertura. “Ninguém começa organização de Jogos Olímpicos sem a necessidade de ajustes”, disse, acrescentando que é comum problemas em apartamentos ou casas novas ou que passaram por reformas. “Todos nós moramos em apartamentos; todos nós temos problemas em casa.”

LEIA TAMBÉM:
Delegação australiana retorna para a Vila Olímpica
Atletas da vela têm quartos 5 estrelas longe da Vila

Nuzman disse ainda que a organização está fazendo um detalhamento do que falta de ajuste e que todas as áreas estão sendo trabalhadas. Inclusive, minimizou o risco de problemas de abastecimento de energia. Nuzman afirmou que a Vila Olímpica tem 31 edifícios com 3.600 apartamentos entregues ao mesmo tempo. “É difícil que não tenha reparos a serem feitos”, completou.

Governo – O ministro Eliseu Padilha, mudou o tom de seu discurso e afirmou que o momento é de solidariedade. Segundo ele, o presidente em exercício, Michel Temer, mandou uma mensagem para a reunião deixando claro “que agora o que está em jogo é a imagem do Brasil”. Após as críticas da delegação australiana a Vila Olímpica, Padilha tinha dito que a responsabilidade das obras não era do governo federal. “Haverá solidariedade e responsabilidade, vamos estar juntos”, comentou o ministro. Ao ser questionado sobre a mudança de discurso, Padilha disse que “claro que tem (mudança no discurso), está mudando também o tempo”. “Se não solidarizar vai ficar alguma coisa descoberta.”

Padilha afirmou ainda que nesta penúltima reunião preparatória para os Jogos houve a convicção de que o Brasil terá 100% dos problemas resolvidos e haverá tempo de corrigir alguns reparos. Segundo ele, entretanto, o julgamento da imagem do Brasil só virá no fim dos Jogos. “A imagem do Brasil será julgada no fim dos Jogos. Nesta fase de reta de chegada dos preparativos encontram-se problemas que estão sendo resolvidos.” Questionado se as críticas eram injustas, Padilha disse que “justo ou injusto, vamos ver mais adiante no final das Olimpíadas”.

(Com Estadão Conteúdo)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Wilson Martins da Costa Wilson

    O presidente do Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e paralímpicos Rio 2016, Carlos Arthur Nuzman Nuzman, era para ter evitado o que disse: “Pretendemos que até o fim de semana todos os edifícios estejam em ordem”, pois os alojamentos dos atletas já era para está 100% com a chegada dos atletas. Como, também, não era para ter dado a oportunidade de um jornal americano dizer que a Olimpíada de 2016 do Rio de Janeiro vai ser a Olimpíada da sujeira. Se o Rio de Janeiro não estava em condições de atender um evento de tal envergadura, não tivesse se candidatado. Wilson Martins da Costa, Gestor Público

    Curtir