Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Mundial de surfe de 2017 começa com brasileiros como favoritos

Gabriel Medina, Mineirinho, Filipe Toledo e companhia tentarão trazer de volta o título para o Brasil. Etapa de Gold Coast tem início às 18h (de Brasília)

A temporada de 2017 do Circuito Mundial de Surfe começa nesta segunda-feira, às 18h (7h da manhã de terça-feira na Austrália), em Gold Coast. Nove brasileiros iniciam a caminhada na tentativa de trazer de volta o troféu de campeão para o país. Gabriel Medina, em 2014, e Adriano de Souza, o Mineirinho, em 2015, conquistaram a taça, mas no ano passado o havaiano John John Florence evitou o tricampeonato da “Brazilian Storm” (tempestade brasileira, como o grupo é apelidado no exterior).

 

O Mundial terá 11 etapas com os dois piores resultados de cada surfista sendo descartados do resultado final, mas os brasileiros sabem que é muito importante começar bem a perna australiana do Circuito Mundial, nas etapas de Gold Coast, Margaret River e Bells Beach.

“No ano passado, a ressaca do título pesou bastante. Agora me sinto mais leve e tranquilo e a meta é ser campeão mundial novamente. Quero chegar em Pipeline, na última etapa, com chances de título. Esse vai ser meu foco esse ano. Quero muito voltar a brigar por esse espaço e estou disposto a atingir esse objetivo”, afirmou Mineirinho.

Com 30 anos, ele é o veterano entre os brasileiros que vão tentar o título, com destaque ainda para Gabriel Medina e Filipe Toledo, dois surfistas talentosos e que devem brigar pelas primeiras posições. Além deles, estarão representando o país Italo Ferreira, Caio Ibelli, Wiggolly Dantas, Miguel Pupo, Jadson André e o estreante na elite Ian Gouveia, filho de Fabinho Gouveia, campeão mundial amador em 1988 e responsável por a abrir as portas na elite da modalidade aos brasileiros.

Medina animado – Para o surfista de Maresias, é fundamental se sair bem logo de cara. “Estou bem animado, concentrado, preparado e pronto para ir bem.” Após o período de férias, Medina fez um treino físico em sua cidade e viajou para El Salvador para simular condições que poderá encontrar na Austrália.

Como o campeão de 2014 surfa com o pé direito na frente da prancha, quando as ondas vão para a direita ele fica de costas para a onda, o que nesta modalidade costuma ser mais difícil. E é assim na primeira etapa do ano na praia de Snapper Rocks. “O back side dele é forte, rápido, está dentro do que estamos esperando. Um surfe vertical, forte e com velocidade, dentro do padrão. Nossa meta é pontuar bem”, explicou Charles Saldanha, padrasto e técnico do atleta, que está suspenso das primeiras etapas. 

A disputa deve ser novamente equilibrada do início ao fim. Veteranos como Kelly Slater, 11 vezes campeão, e o tricampeão Mick Fanning já avisaram que pretendem brigar até o final da temporada. No ano passado, por exemplo, ambos optaram por não disputar todas as etapas.

Entre os surfistas da nova geração, destaque ainda para o havaiano John John Florence, atual campeão. Kolohe Andino, Jordy Smith, Julian Wilson e Owen Wright também estão entre os candidatos mais fortes.

(com Estadão Conteúdo)