Clique e assine a partir de 9,90/mês

Harvey Weinstein tenta pela terceira vez manobra para adiar julgamento

Os 12 jurados começam a ser escolhidos nesta quinta-feira 16. A Justiça nova-iorquina ainda não decidiu sobre a moção apresentada pelo produtor

Por Redação - Atualizado em 16 jan 2020, 13h20 - Publicado em 16 jan 2020, 13h18

O julgamento mais esperado do ano, que coloca um dos produtores mais poderosos de Hollywood no banco dos réus, mal começou em Nova York e já tem três moções apresentadas por Harvey Weinstein na tentativa de adiar sua realização. O ex-produtor pede que o tribunal de apelações do Estado de Nova York adie seu julgamento de estupro e o transfira para outra corte nova-iorquina.

Em outubro, o ex-produtor havia pedido ao mesmo tribunal que mudasse o local do julgamento, pois a atenção da mídia em Manhattan o impediria de obter um julgamento justo. O pedido foi negado veemente.

Um dos advogados de Weinstein, Arthur Aidala, não especificou a razão de seu desejo para a mudança de local ou adiamento do julgamento. O procurador do distrito de Manhattan, Cyrus Vance Jr., que está à frente do caso, ainda não comentou sobre o pedido do réu.

Dois dias depois de começar o julgamento, Weinstein apresentou uma segunda moção pedindo que o juiz James Burke se afastasse do caso dizendo que ele não tinha neutralidade para julgar o caso, mas ele negou o requerimento.

Continua após a publicidade

Nesta quinta-feira 16, depois da dispensa de dezenas de possíveis candidatos, começa a última fase da seleção dos 12 jurados que decidirão o destino do produtor.

Weinstein é acusado de estuprar uma mulher em um quarto de hotel em Nova York em 2006 e outra, também em Manhattan, em 2013. O produtor afirma categoricamente que todas as relações foram consensuais. As acusações são de estupro, em primeiro e terceiro grau; e ainda enfrenta duas acusações de “agressão sexual predatória”, termo legal que caracteriza a prática contumaz do delito e pode levar o ex-produtor à prisão perpétua.

Indicada ao Oscar de melhor atriz, Charlize Theron pode ser uma das testemunhas do caso. O nome dela surgiu em meio a uma lista de outras noventa possíveis testemunhas fornecida ao júri. Ainda não se sabe ao certo se as atrizes serão ouvidas ou apenas citadas no tribunal. Charlize chegou a afirmar recentemente que Weinstein espalhou rumores de que os dois mantinham relações sexuais, mas não acusou o produtor de assédio.

Los Angeles

A promotoria de Los Angeles, apresentou, no dia 6, quatro acusações formais contra o produtor. As acusações são referentes a dois encontros de Weinstein com mulheres nos dias 18 e 19 de fevereiro de 2013. Ele foi indiciado por estupro, sexo oral, penetração e retenção das vítimas à força podendo ser condenado a até 28 anos de prisão.

Continua após a publicidade

 

Publicidade