Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

O motivo que tirou Rihanna do hiato musical por ‘Pantera Negra 2’

Dona de vários hits, cantora estava parada há seis anos até ser a voz da trilha sonora do novo filme da Marvel

Por Kelly Miyashiro Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO , Raquel Carneiro Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
9 nov 2022, 10h29

Dona de diversos hits pop, Rihanna não lançava uma música nova há seis anos até cantar Lift Me Up, trilha sonora de Pantera Negra 2. Empresária, a artista passou os últimos tempos se dedicando à sua marca de lingerie, Savage X Fenty, e maquiagem, Fenty Beauty. Devido a isso, ela entrou em um hiato musical que decepcionou os fãs ano após ano e que só acabou porque a estrela foi convencida a gravar para o filme que será um tributo a Chadwick Boseman, intérprete do herói, que morreu de câncer aos 42 anos em 2020.

Diretor do longa da Marvel, Ryan Coogler, explicou a VEJA que contou com a ajuda do compositor Ludwig Goransson, de Jay Brown, da gravadora Roc Nation, e até Jay-Z para fazer contato com Rihanna. O motivo que a convenceu voltar a gravar foi a mensagem de Pantera Negra 2 e a homenagem a Boseman que tiraram a cantora da pausa artística de fato. “Após ela gravar e tocar o disco para nós, Rihanna disse diretamente: ‘Eu fiz isso para o Chad’. Então era por ele. Chad nos uniu e continua nos dando tanta coisa. Estou muito agradecido que Rihanna foi o último presente para se juntar à família [de Pantera Negra] e mal posso esperar para as pessoas verem como ela é usada no filme”, declarou Coogler.

“Ludwig Goransson fez This is America com Childish Gambino, então acho que Ludwig foi um fator importante. Muito obrigado a Jay Brown da Roc Nation e Jay-Z, que é um amigo meu, que ajudou a fazer a conexão [com Rihanna]. Rihanna nos deu toda uma carreira, todo um catálogo de músicas, e agora ela nos deu maquiagem e roupas e acho que o mundo entenderia se ela desligasse o microfone. E eu entendo completamente, porque eu amo tanto a música dela, eu sinto que ela nos deu tudo o que você poderia pedir. Mas a verdade é que estávamos procurando um grande artista que pudesse contar a história do filme e abraçar os temas do filme e apresentá-los ao público em uma embalagem diferente. Isso é o que Kendrick fez por nós tão lindamente com o primeiro Pantera Negra“, disse o diretor.

“Este filme é diferente, fazia sentido que fosse uma mulher cantando, fazia sentido que pudesse ser alguém com quem pudesse falar, não necessariamente com palavras, mas passasse o sentimento da maternidade, porque esse é um tema importante neste filme. E eu acho que o tempo bateu, que ela estava neste mesmo momento em sua vida. E ela estava aberta e acho que o trailer ajudou, porque quando ela viu as performances que todo mundo estava fazendo no trailer, foi isso que a fez dizer: ‘Ei, eu quero ver este filme, eu quero ver se eu consigo entender melhor’. Colaboramos com este incrível cantor Tems, ela e eu escrevemos as letras, Ludwig fez a música”, completou.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.