Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Eduardo Bolsonaro reproduz crítica de filho de Trump contra Alec Baldwin

Ator americano matou acidentalmente colega de trabalho após disparar uma arma de fogo cenográfica e virou alvo de críticas do filho do presidente brasileiro

Por Hugo Marques Atualizado em 23 out 2021, 20h30 - Publicado em 23 out 2021, 18h59

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) reproduziu um comentário feito pelo filho do ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump Jr., que criticava o ator americano Alec Baldwin. O astro do cinema matou acidentalmente a diretora de fotografia Halyna Hutchins e feriu o diretor Joel Souza no set do filme Rust, após ele disparar uma arma de fogo cenográfica.

Primeiro, o deputado Eduardo traduziu a mensagem de Donald Trump Jr: “Tradução livre: ‘aquele olhar quando um babaca desarmamentista mata mais pessoas com uma arma do que toda sua coleção de armas de fogo jamais matou…”. Em seguida, o deputado escreveu: “Ator Alec Baldwin matou uma mulher e deixou outro ferido com uma arma supostamente cenográfica. Talvez agora ele comece uma campanha contra armas cenográficas também, já que o problema é o objeto, não as pessoas que não sabem fazer checagem de segurança das armas que usam, algo mobral e básico para qualquer atirador ou policial iniciante”.

O ator Alec Baldwin é um pacifista declarado, que já fez campanha contra a comercialização desenfreada de armas nos EUA, país onde são constantemente registradas chacinas envolvendo adolescentes armados. Baldwin já teve discussões públicas com a direção da poderosa NRA, a associação armamentista dos EUA. O ator integrou um grupo chamado NoRA (Não à NRA), que defendia acabar com a influência da associação nos EUA. Vale lembrar que Baldwin também se notabilizou nos Estados Unidos por satirizar o ex-presidente Trump no programa humorístico Saturday Night Live.

 

Eduardo Bolsonaro
Eduardo Bolsonaro reproduziu mensagem de Trump Jr. reprodução/Reprodução

Os comentários do deputado causaram mal-estar até entre seus eleitores. “Mesmo apoiando o governo atual, achei desnecessário esse post, pois acho que jamais ele iria imaginar que a arma era de verdade”, escreveu a internauta Telma Coelho. “Postagem infeliz. E olha que sou 100 (por cento) Bolsonaro”, escreveu Maristela Lage.

O diretor do filme, Joel Souza, ferido no disparo, se manifestou neste sábado, 23, pela primeira vez desde que saiu do hospital e lamentou a morte da colega: “Estou devastado pela perda da minha amiga e colega. Halyna. Ela era gentil, vibrante e incrivelmente talentosa, lutava por cada detalhe e sempre me inspirava a ser melhor”.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês