Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Disney demite James Gunn, de ‘Guardiões da Galáxia’, por tuítes ofensivos

Diretor fazia piada com pedofilia, estupro e aids em mensagens antigas

Por Redação Atualizado em 20 jul 2018, 21h45 - Publicado em 20 jul 2018, 19h12

O diretor da franquia Guardiões da Galáxia, James Gunn, foi cortado do terceiro filme da saga depois que sites conservadores resgataram mensagens ofensivas publicadas pelo americano no Twitter há alguns anos. Os tuítes, a maior parte publicados de 2008 a 2011, faziam piada com estupro, pedofilia e aids.

A Disney, que é dona da franquia com a Marvel Studios, confirmou a demissão para a AFP. “As atitudes ofensivas e declarações descobertas no Twitter de James são indefensáveis e inconsistentes com os valores do estúdio, e nós cortamos nosso relacionamento comercial com ele”, declarou Alan Horn, presidente do Walt Disney Studios, na nota.

Em comunicado, Gunn afirmou que compreende a decisão da Disney. “Embora já tenha se passado muito tempo, entendo e aceito as decisões adotadas hoje. Mesmo muitos anos depois, assumo toda a responsabilidade pela maneira como me comportei à época”, afirmou. “As minhas palavras de quase uma década atrás foram, nesse momento, erros totalmente fracassados e desafortunados para ser provocador. Lamentei (as mensagens) durante muitos anos desde então, não só porque eram estúpidas, nada divertidas, extremamente insensíveis e certamente não provocadoras como esperava, mas porque não refletem a pessoa que sou ou fui durante um tempo.”

Apesar de terem sido apagados pelo diretor, os posts foram reproduzidos em prints que circulam pela internet. Em uma das mensagens, James Gunn diz: “Rir é o melhor remédio. Por isso eu dou risada de pessoas com aids”. As publicações foram resgatadas por defensores do presidente americano Donald Trump, a quem Gunn critica constantemente em suas redes sociais.

Após a repercussão negativa, Gunn foi ao Twitter se explicar. “Muitas pessoas que acompanham a minha carreira sabem onde eu comecei. Eu me via como alguém provocador, fazendo filmes e contando piadas que eram ultrajantes e tabus”, escreveu. “Assim como debati publicamente muitas vezes, me desenvolvi como pessoa, e o mesmo aconteceu com meu trabalho e meu humor. Meus dias falando algo só porque é chocante e para chamar a atenção acabaram.”

Gunn dirigiu os dois filmes de Guardiões da Galáxia e planejava comparecer esta semana na enorme convenção anual Comic-Con, em San Diego. Guardiões da Galáxia Vol. 3 tem previsão de estreia para 2020.

(Com AFP e EFE)

Continua após a publicidade

Publicidade