Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Sobre Palavras Por Sérgio Rodrigues Este blog tira dúvidas dos leitores sobre o português falado no Brasil. Atualizado de segunda a sexta, foge do ranço professoral e persegue o equilíbrio entre o tradicional e o novo.

E vamos à cabina, como se portugueses fôssemos!

Hoje é dia de entrar na “cabina indevassável”, como o Tribunal Superior Eleitoral insiste em chamar “o pequeno resguardo, geralmente feito de papelão corrugado, ou outro material de baixo custo, dentro do qual o eleitor assinala em sigilo seu voto na cédula oficial de votação [ou na urna eletrônica], nas eleições para todos os níveis, […]

Por Sérgio Rodrigues Atualizado em 31 jul 2020, 14h03 - Publicado em 3 out 2010, 09h00

Hoje é dia de entrar na “cabina indevassável”, como o Tribunal Superior Eleitoral insiste em chamar “o pequeno resguardo, geralmente feito de papelão corrugado, ou outro material de baixo custo, dentro do qual o eleitor assinala em sigilo seu voto na cédula oficial de votação [ou na urna eletrônica], nas eleições para todos os níveis, antes de depositá-la na urna de votação”. Em Lisboa fazem a mesma coisa.

A definição acima foi tirada do glossário disponível no site do TSE. O verbete explica ainda: “O Código Eleitoral e toda a legislação eleitoral empregam a expressão ‘cabina indevassável’, ou, algumas vezes, ‘cabine indevassável’…”.

Infelizmente, a ordem dos fatores está invertida, em grave desacordo com a língua portuguesa que se fala no país. A forma preferencial deveria ser “cabine”, com “cabina” tendo no máximo um papel de variante. A terminação em “e” para galicismos desse tipo é uma opção tão clara do português brasileiro que está além da consagração, embora nossos dicionaristas ainda relutem, tímidos e lusocêntricos, em ser fiadores disso.

Em Portugal se fala madama; no Brasil, madame. Mas o Aurélio não gosta disso e diz que a primeira forma é preferível. Com cabina e cabine se dá o mesmo. Pior é descobrir que o mais popular dicionário brasileiro nem sequer reconhecia até o início deste século a existência da palavra vitrine: para ele, o nome daquele mostruário envidraçado na porta das lojas era vitrina e pronto. O Houaiss, um pouco menos subserviente aos filólogos de além-mar, prefere madame e cabine, mas também derrapa na vitrina, o que deixa no ar uma impressão incômoda de incoerência. São só nuances? Não: segundo nossos dicionaristas, são, de preferência, só nuanças.

Não é a primeira vez que digo isso, mas vale repetir: se o Chico, que de língua entende um pouco, canta “nos teus olhos também posso ver/ as vitrines te vendo passar”, mas o Aurelião torce o nariz para a palavra, cabe a nós decidir com que Buarque de Holanda preferimos ficar.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês