Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar

Por Robson Bonin
Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Nicholas Shores e Ramiro Brites. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Como foi a reunião de Haddad e Guedes no Ministério da Economia

Petista cotado para a Fazenda disse que teve 'excelente conversa' com o auxiliar de Bolsonaro

Por Lucas Vettorazzo Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO , Ramiro Brites Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 8 dez 2022, 15h33 - Publicado em 8 dez 2022, 12h44

Cotado para ministro da Economia no futuro governo Lula, Fernando Haddad esteve em reunião na manhã desta quinta-feira com Paulo Guedes.

O encontro entre os dois ocorreu a portas fechadas no gabinete do ministro de Jair Bolsonaro em Brasília. A conversa não constou da agenda pública de Guedes. Haddad disse que passou uma hora e meia com o ministro e os dois tiveram uma “excelente conversa”.

“Passamos em revista vários assuntos importantes, obviamente que em uma reunião de uma hora e meia não é possível esmiuçar todos os assuntos, mas foi uma excelente reunião. Fui muito bem recebido, definimos uma agenda de trabalho a partir da semana que vem e as coisas estão transcorrendo bem”, disse Haddad, na porta do hotel onde Lula está hospedado em Brasília.

Segundo o petista, a equipe de transição está em fase de concluir os relatórios dos grupos de trabalho e na sequência sentará com os secretários dos ministérios para discutir mais a fundo a rotina das secretarias, os projetos em curso e a chamada “matriz de risco”, onde o governo prevê problemas que possam afetar o seu funcionamento no ano seguinte, como decisões judiciais que possam acarretar em aumento de gastos ou dívidas a vencer.

Continua após a publicidade

O petista disse que ele é o responsável no grupo de trabalho da Economia da transição por fazer a “interface política” com a equipe de Guedes e disse também que o encontro não foi necessariamente um pedido de Lula.

“É uma transição natural, normal, a gente quer que seja o mais suave possível, e com os desdobramentos que todos esperamos, de que o Brasil cresça mais, que gere mais oportunidades. [O encontro] Não foi combinado [com Lula]. Eu estou em um grupo de transição, eu tenho que tomar providências para que a gente conclua esse processo da melhor maneira possível”, disse.

Haddad ressaltou que foi o seu primeiro contato com o ministro e que, dado o tempo exíguo da reunião, a primeira conversa foi menos detalhada. “Nós falamos sobre muitos assuntos importantes. Mas, em uma hora e meia, se você divide o tempo pelo número de assuntos tratados, você teve pouco tempo para detalhar, mas o plano geral de voo foi tratado com ele, tanto daquilo que entende que está deixando como legado para o país, quanto aquilo que pretendemos fazer, a partir do ano que vem.”

Continua após a publicidade

 

 

 

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.