Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

A resposta de Deltan ao novo ataque de Lula contra ele no STF

Radar mostrou nesta quarta que a defesa do ex-presidente acusa o ex-procurador de irregularidades na vaquinha para pagar indenização ao petista

Por Lucas Vettorazzo Atualizado em 30 mar 2022, 19h28 - Publicado em 30 mar 2022, 19h24

Deltan Dallagnol respondeu às acusações dos advogados de Lula reveladas nesta quarta pelo Radar de que ele enganou doadores na vaquinha feita para pagar a indenização ao ex-presidente determinada pelo STJ. Em nota à imprensa, o ex-chefe da Lava Jato classifica as acusações como “mentiras dos advogados de Lula” e diz que a campanha de arrecadação de recursos foi espontânea e representou um “ato histórico e inédito” em apoio ao “combate à corrupção e em protesto contra a injustiça”.

“Assim, Lula mente ao afirmar que Deltan teria liderado uma campanha de arrecadação ou pedido recursos. Lula também mente ao afirmar que Deltan teria dito que não teria recursos para arcar com a indenização”, diz a nota.

Deltan reconhece na nota divulgada que as doações superaram 500.000 reais, muito acima dos 75.000 reais determinados pelo STJ, e diz que as contribuições continuaram mesmo depois de o ex-procurador pedir nas redes pelo seu fim. “Isso demonstra a indignação dos brasileiros com a condenação de Deltan, que combateu a corrupção, e com a impunidade de Lula em relação aos bilhões comprovadamente desviados da Petrobras.”

    O ex-servidor diz ainda que divulgou em suas redes sociais em janeiro de 2017 a criação de um fundo para cobrir “despesas ou custos decorrentes da atuação de servidores públicos em operações de combate à corrupção” e para o “custeio de iniciativas contra a corrupção e a impunidade”.

    Essa atitude foi tomada para se precaver de injustiças como as que foram cometidas contra os promotores do caso Mãos Limpas, na Itália. E, conforme apontam os últimos acontecimentos, os corruptos estão de fato perseguindo todos os dias aqueles que combatem a corrupção, o que mostra que as preocupações eram válidas e legítimas”, afirma. Deltan disse ainda que pagou os tributos dos valores que recebeu por palestras que deu durante seu trabalho à frente da Lava Jato e que doou para instituições filantrópicas “parte significativa” dos ganhos com essa atividade. 

     

    Continua após a publicidade


    Publicidade

    Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

    Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

    Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

    Impressa + Digital

    Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

    Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

    Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

    a partir de R$ 39,90/mês

    Digital

    Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

    Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

    Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

    a partir de R$ 19,90/mês