Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

O Som e a Fúria Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Felipe Branco Cruz
Pop, rock, jazz, black music ou MPB: tudo o que for notícia no mundo da música está na mira deste blog, para o bem ou para o mal
Continua após publicidade

Rock in Rio subestima público de Avril Lavigne e fãs são prejudicados

Uma da principais atrações da noite, Avril Lavigne foi escalada para o palco Sunset que não comportou o público da cantora

Por Felipe Branco Cruz Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO , Kelly Miyashiro Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 9 set 2022, 22h55 - Publicado em 9 set 2022, 22h22

Quando o músico britânico Billy Idol deu início ao seu show no Palco Mundo, nesta sexta-feira, 9, no Rock in Rio, o público começou a debandar para o palco menor, o Sunset, para aguardar a apresentação da cantora americana Avril Lavigne, que só começaria uma hora depois. O espaço em frente ao palco Mundo estava tão vazio que era possível chegar até a grade com relativa facilidade, algo inimaginável nos outros dias, enquanto no Sunset, que tem um gramado muito menor para abrigar o público, estava intransitável.

Quando Avril Lavigne finalmente subiu ao palco, veio a decepção dos fãs que estavam mais afastados. Além da visão do show estar comprometida pela quantidade de gente, o som também não estava alto o suficiente para atender a amplitude de público. Logo nos primeiros minutos de apresentação, já era fácil constatar que a organização do Rock in Rio havia subestimado o público de Avril Lavigne e a escalação da artista no palco Sunset se mostrou um verdadeiro equívoco. Em entrevista a VEJA, o criador do Rock in Rio, Roberto Medina, afirmou que pretendia colocar a cantora no palco Mundo. “Eu queria que a Avril Lavigne estivesse no Palco Mundo, mas não deu tempo, já estava fechado, e ela foi pro Sunset”, explicou Medina.

Avril trouxe para o Rock in Rio um show semelhante ao que ela já havia apresentado em São Paulo, no Espaço Unimed, na última quarta-feira, 7. Assim como fez na capital paulista, a artista demonstrou um pouco de cansaço durante seu show. Entretanto, pôde contar com a mesma plateia animada e apoiada na nostalgia que fez coro em todas as músicas, principalmente durante as clássicas Complicated e My Happy Endending. Ao final, a canadense agradeceu aos fãs brasileiros por reproduzirem Avalanche, um de seus novos hits, e performou a canção durante o encerramento. O show finalizou com I’m With You.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.