Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

O novo temor que assombra Bolsonaro e a aproximação com a Venezuela

Presidente continua mexendo na liderança da Petrobras e atacando a Justiça Eleitoral, como fez Hugo Chávez

Por Matheus Leitão Atualizado em 30 Maio 2022, 17h35 - Publicado em 24 Maio 2022, 20h14

A nova troca na presidência da Petrobras nesta segunda, 23, mostra – mais uma vez – que Jair Bolsonaro não tem um projeto de país. Ele tem um projeto de poder pessoal e já demonstrou isso em outros momentos, mas o que está acontecendo na Petrobras traz uma clareza enorme sobre os objetivos do presidente, que quer se perpetuar no poder.

Se Bolsonaro tivesse um projeto de país, não estaria vilipendiando o valor da Petrobras com essa troca excessiva de presidentes da empresa. Enquanto ele tenta colocar em prática suas propostas pessoais, a empresa vai perdendo valor de mercado.

A troca desta segunda, 23, por exemplo, fez as ações da Petrobras despencarem na bolsa de Nova York. Movimento parecido aconteceu no ano passado, quando Bolsonaro fez outra mudança na liderança da empresa. Cada alteração deixa o mercado apreensivo e a instabilidade aumenta.

Caio Mário Paes de Andrade será o quarto presidente da estatal durante o atual governo. Antes dele, tentaram liderar a empresa José Mauro Ferreira Coelho, que ficou apenas 40 dias no cargo, Roberto Castello Branco e Joaquim Silva e Luna.

As constantes trocas na presidência da Petrobras vão levando as pessoas a acreditar que o governo vá fazer uma ingerência política na estatal do petróleo. É incoerente que um governo que se elegeu com a bandeira “liberal” esteja, agora, tentando intervir na Petrobras com medo das eleições. Bolsonaro mexe na presidência da empresa porque está com medo da impopularidade que vem com a inflação alta e com o aumento no preço dos combustíveis.

O curioso é que um dos líderes que interferiu nas instituições por um projeto de poder foi Hugo Chávez, a quem Bolsonaro tanto critica. Na Venezuela, Chávez fez de tudo para ver suas ideias sendo obedecidas.

Atacou a Justiça Eleitoral (vejam que coincidência!), que por lá chama Conselho Nacional Eleitoral, mudando a composição e as regras da corte, e saqueou a PDVSA, que era uma das maiores estatais de petróleo do mundo. Acabou por a transformar numa empresa quebrada, usando a estatal para subsidiar combustíveis e fazê-los mais baratos.

Por aqui, o presidente tenta, a todo custo, encontrar alguém que faça o trabalho sujo de parar a Petrobras para que seus planos políticos sejam cumpridos.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)