Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Matheus Leitão

Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog
Continua após publicidade

A diferença marcante entre as reações de Lula e Bolsonaro ao assassinato

Entenda

Por Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 19 jul 2022, 15h22 - Publicado em 11 jul 2022, 11h18

O assassinato do petista Marcelo Arruda pelo bolsonarista Jorge Garanho é de uma tristeza profunda, e revela o retrato do país em que o Brasil se transformou: intolerante, violento, insensato e… covarde.

O pior é que um crime como esse era esperado. Lamentavelmente, era mais que esperado.

As ruas brasileiras estão tomadas pela intolerância política. Falta diálogo. Falta compreensão. Falta reconciliação.

O caso choca e é ainda mais triste porque ocorreu em um ambiente de festa, onde uma família comemorava um aniversário, com filhos de diversas idades, incluindo um bebê, que fica – agora – órfão de pai.

Continua após a publicidade

O assassino era um seguidor de Jair Bolsonaro, o presidente da República, que nunca entendeu a liturgia do cargo que ocupa. E usou o poder da cadeira, antes mesmo de ocupá-la, para incitar a violência.

Como bem lembrou o Radar, Bolsonaro já pegou um tripé de uma câmera de televisão, simulou um fuzil e bradou aos seus apoiadores: “Vamos fuzilar a petralhada aqui do Acre!”.

Esse não é um caso único.

Continua após a publicidade

Em outubro de 2018 – a uma semana da eleição –, o então candidato a presidente prometeu enviar a “petralhada” para a “ponta da praia”.

“Ponta da praia” nada mais é que uma base da Marinha na Restinga de Marambaia, no Rio de Janeiro – um local bastante conhecido entre historiadores por ter sido usado para a execução de presos políticos na ditadura militar.

Como se sabe, Bolsonaro é um amante do regime que tomou o país de assalto, acabou com a democracia, torturou e matou opositores esquerdistas – iniciando um governo armado por meio de narrativas mentirosas sobre a política nacional em 1964.

Continua após a publicidade

O presidente constantemente também louva torturadores e suas mais nefastas armas de violações de direitos humanos durante a ditadura. Já disse aqui e repito: foi Bolsonaro quem intoxicou a política brasileira, e não Lula. (Entenda aqui.)

Só lembro do candidato do PT porque, a 83 dias das eleições, o país testemunha um crime de motivação política. E Lula, que ontem pediu “diálogo, tolerância e paz”, lidera as pesquisas, seguido por Bolsonaro, que mais uma vez não soube usar o cargo para ao menos tentar pacificar o país.

Que fique registrado: a reação do PT ao crime foi correta. Já Bolsonaro, como sempre, usou o discurso da violência.

Continua após a publicidade

Volto a dizer: as ruas estão tomadas pela intolerância política.

Neste domingo 10, fui abordado na rua por um eleitor do ex-presidente Lula. Ele colocou o dedo na minha cara, na frente de testemunhas, e disse para eu “ficar ligado”. Depois, teceu críticas sobre o meu trabalho e o da minha mãe, a jornalista Miriam Leitão.

São incomparáveis os dois lados, como esta coluna já mostrou algumas vezes.

Continua após a publicidade

Bolsonaro faz o discurso das armas e usa todo o tempo do governo para exibir o ódio e pregar a eliminação física da oposição. É preciso, contudo, que os adversários políticos de Bolsonaro não respondam na mesma moeda. Lula tem tentado fazer isso, assim como outros candidatos à Presidência.

Precisamos desarmar os espíritos.

Que o país saiba escolher, no próximo 2 de outubro, um nome para a Presidência que preze por compreender que é preciso acalmar a população, em todos os sentidos, e buscar a pacificação.

Ao fim das eleições, independentemente de quem ganhar, seremos todos brasileiros.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.