Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse, Diogo Magri, Victoria Bechara e Sérgio Quintella. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Quem é Zé Trovão, o caminhoneiro bolsonarista que entrou na mira da PF

Marcos Antônio Pereira Gomes, que mora em Joinville (SC), começou há cinco meses a postar vídeos defendendo Bolsonaro e ameaçando invadir STF e Congresso

Por Camila Nascimento 20 ago 2021, 15h01

Entre os alvos dos mandados de busca e apreensão cumpridos pela Polícia Federal nesta sexta-feira, 20, estão alguns nomes bastante conhecidos entre os brasileiros, como os dos cantores Sérgio Reis e Eduardo Araújo, mas outros, embora populares no mundo bolsonarista, não são tão conhecidos do grande público.

Um deles é o caminhoneiro Zé Trovão, que ganhou notoriedade nos últimos dias por incitar atos violentos contra instituições democráticas, como sugerir invadir o STF e o Congresso. Também falou em agredir os senadores Omar Aziz (PSD-AM) e Renan Calheiros (MDB-AL), presidente e relator da CPI da Pandemia. Também participou de uma reunião para organizar manifestações em defesa do presidente Jair Bolsonaro no dia 7 de setembro – além de caminhoneiro, ele é um ativista do bolsonarismo.

Zé Trovão – cujo nome é Marcos Antônio Pereira Gomes – mora em Joinville (SC) e começou há cinco meses a postar vídeos em seu canal Zé Trovão, a Voz das Estradas. Nos últimos dias, o perfil tem sido usado, principalmente, para divulgar o Acampa Brasil, nome dado ao ato antidemocrático previsto para 7 de setembro, do qual ele participa da organização. Mas no canal também são defendidas outras bandeiras bolsonaristas, como o tratamento precoce contra a Covid-19.

O ato deverá pedir o impeachment de ministros do STF e o voto impresso, já rejeitado pela Câmara. Nas redes, apoiadores do presidente falam em invadir as sedes dos poderes Judiciário e Legislativo e até a Embaixada da China, país que é alvo de uma persistente implicância do bolsonarismo.

Zé Trovão pede que para os apoiadores de Bolsonaro que irão ao ato façam a sua inscrição no site do Portal Brasil Livre. De acordo com a página, participam também da organização a Coalizão Direita Conservadora e o Grupo Abrapa (Associação Brasileiros dos Patriotas), que se descrevem como entidades “cívicas de direito privado”. O ativista aparece ainda em vídeos do canal Portal Brasil Livre no YouTube.

O caminhoneiro andou acompanhado por figuras que foram alvo da mesma operação da PF, como Turíbio Torres e Eduardo Oliveira, investigados por estar na reunião em que a invasão foi discutida, e Sérgio Reis. Zé Trovão já esteve também com um caminhoneiro identificado como “Chicão”, que se apresenta como uma liderança e fala em paralisação da categoria. Entidades de caminhoneiros mais conhecidas, no entanto, negaram participação na organização dos atos de 7 de Setembro.

Zé Trovão esteve também com deputados bolsonaristas. Na motosseata em Florianópolis, em 7 de agosto, o caminhoneiro gravou um vídeo em que já falava sobre os atos de 7 de setembro ao lado de Carla Zambelli (PSL-SP), que articula uma manifestação semelhante no mesmo dia, mas na Avenida Paulista, em São Paulo. O caminhoneiro disse que a parlamentar “está super a favor” do ato. “Ela está apoiando o movimento, nós estamos apoiando o movimento dela”, afirmou. Outro deputado bolsonarista, Nelson Barbudo (PSL-MT), também esteve com Zé Trovão. O caminhoneiro nunca foi candidato a nada.

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)