Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse, Diogo Magri, Victoria Bechara e Sérgio Quintella. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Investigados por atos antidemocráticos estiveram com ministros do governo

Turíbio Torres e Juliano Martins, alvos de operação nesta sexta, 20, postaram imagens com chefe do GSI, ministro Augusto Heleno, e outras autoridades

Por Reynaldo Turollo Jr. Atualizado em 20 ago 2021, 13h45 - Publicado em 20 ago 2021, 12h44

Dois investigados por supostamente cuidar da logística dos atos antidemocráticos previstos para o 7 de Setembro registraram nas redes sociais, nesta semana, uma visita a Brasília durante a qual se encontraram com ministros de Estado e, aparentemente, circularam pelo Palácio do Planalto. As informações, registradas no Instagram por esses dois investigados, Turíbio Torres e Juliano da Silva Martins, chamaram a atenção. A Procuradoria-Geral da República (PGR) pediu e o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, autorizou busca e apreensão contra eles e outros suspeitos de promover os atos contra o STF e o Congresso.

Torres e Martins publicaram fotos ao lado do ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno, aparentemente nos corredores do Planalto, e junto com o ministro do Turismo, Gilson Machado. Torres também postou um “stories” com imagem de uma agenda que cumpriu com a secretária de Articulação Social, ligada à Secretaria de Governo, Gabriele Olivi Gonzaga Lins de Araujo. Na publicação, Torres coloca como local o Palácio da Alvorada – mas é provável que tenha sido no Palácio do Planalto. Os ministros e a secretária não são alvo da investigação. A suspeita é que a visita da dupla ao Planalto ocorreu no mesmo dia em que passaram por lá os cantores Sérgio Reis e Eduardo Araújo – evento registrado pela imprensa no último dia 12.

Juliano Martins com o ministro Augusto Heleno
Juliano Martins com o ministro Augusto Heleno @julianomartins1981/Instagram

O movimento de viés antidemocrático, conforme a investigação da PGR, era bem estruturado. Torres e Martins são apontados como responsáveis pela logística. Os cantores, pela divulgação e pelas mensagens mais duras, voltadas para os seguidores radicais. E os donos do site Brasil Livre, pelas arrecadações e, também, pela comunicação. Há ainda indícios de envolvimento de empresários que teriam ajudado no financiamento.

Turibio Torres com o ministro do Turismo, Gilson Machado (ao centro)
Turibio Torres com o ministro do Turismo, Gilson Machado (ao centro) @turibiotorres/Instagram
Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)