Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse e Diogo Magri. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

O ‘vale-tudo’ de Lula para derrotar o bolsonarismo em Santa Catarina

Senador que já foi do PFL e do PSDB pode liderar frente de esquerda em Santa Catarina

Por Da Redação Atualizado em 23 mar 2022, 13h27 - Publicado em 21 mar 2022, 19h22

Segundo estado que percentualmente mais deu apoio ao presidente Jair Bolsonaro (PL) em 2018 – 76% dos votos válidos, atrás apenas do Acre, com 77% –. Santa Catarina é considerado até hoje um dos estados mais bolsonaristas do país. Na última eleição, a onda que elegeu Bolsonaro levou até um estreante em política, o bombeiro Carlos Moisés, então no PSL, ao cargo de governador.

Mas a esquerda não se dá por vencida antes da hora e vai tentar montar uma frente, que deverá ter oito partidos, incluindo o PT, para tentar conquistar o governo. A novidade é que essa frente deve ser encabeçada pelo senador Dário Berger, hoje no MDB, mas que se filiará ao PSB na quarta-feira, em Brasília, na mesma cerimônia em que o ex-tucano Geraldo Alckmin assinará a sua adesão aos socialistas.

Berger já foi prefeito de Florianópolis e de São José (cidade na região metropolitana da capital) por dois mandatos em cada cidade. Está no Senado desde 2015. Ele foi filiado ao PFL — partido que nasceu da Arena, a sigla que deu sustentação à ditadura militar –, onde ficou de 1991 a 2003.  Migrou para o PSDB e lá ficou de 2003 a 2007, e está no MDB desde então.

Na sexta-feira, 18, Berger esteve ao lado do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em Curitiba, no evento que marcou a filiação de outro ex-emedebista, o ex-governador do Paraná Roberto Requião. Com Berger e Lula, estava também o ex-deputado federal Décio Lima (PT), que foi o candidato petista ao governo em 2018 e que agora negocia a frente com Berger, que deve encabeçá-la.

A primeira pesquisa para o governo do estado, feita pelo Instituto de Pesquisa Catarinense entre  3 e 9 de março, mostra que a eleição poderá ser acirrada, como mostrou o Radar. Carlos Moisés (Republicanos) aparece com 19,3% das intenções de voto, seguido por Jorginho Mello (PL), com 18,6% — como a margem de erro é de 2,5%, eles estão em empate técnico. Em terceiro, vem o prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro (União), com 11,6%, também empatado na margem de erro com Décio Lima (PT), que tem 7,7%. Depois, aparecem Antídio Lunelli (MDB), com 5,7%, e Odair Tramontin (Novo), com 5,6%.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês