Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Musk, Moraes e Mauro Cid: os temas que irão ao palanque de Bolsonaro no RJ

Ex-presidente veta faixas e cartazes 'contra quem quer que seja', mas ato deverá mirar na pregação contra censura e perseguição que mobiliza o bolsonarismo

Por Laísa Dall'Agnol Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 9 Maio 2024, 12h11 - Publicado em 19 abr 2024, 15h00

Aliados de Jair Bolsonaro têm feito os ajustes finais do ato em apoio ao ex-presidente que acontece neste domingo, 21, na Praia de Copacabana, no Rio de Janeiro. Os principais temas do evento serão a “defesa à democracia e à liberdade de expressão” e o que o entorno bolsonarista tem classificado como “violação de prerrogativas” empreendidas pelo Supremo Tribunal Federal (STF) contra o ex-presidente.

Na quinta-feira, 18, Bolsonaro publicou um vídeo conclamando apoiadores para a manifestação e pedindo, assim como foi feito no ato de 25 de fevereiro na Avenida Paulista, que não sejam levadas faixas, cartazes ou quaisquer outros itens com dizeres contra “quem quer que seja”. A preocupação é que manifestações desse tipo sejam usadas como “pretexto” para que haja medidas duras do STF contra participantes e organizadores do ato.

“No momento em que o mundo todo toma conhecimento do quanto está ameaçada a nossa liberdade de expressão e de quanto estamos perto de uma ditadura, é que faço um apelo a você: vamos fazer o nosso ato pacífico em defesa da democracia, pela nossa liberdade”, diz Bolsonaro no vídeo divulgado. “O que está em jogo é o futuro de todos nós. Sem cartazes, sem qualquer faixa. Vamos fazer essa manifestação que novamente servirá como fotografia para o mundo e para discutirmos realmente o nosso Estado Democrático de Direito”, prosseguiu.

Nesta sexta-feira, 19, a ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro gravou um vídeo com outras mulheres do Partido Liberal (PL) pedindo o apoio feminino ao ato. Deputadas da sigla, como Bia Kicis (DF), Rosava Valle (SP) e Caroline De Toni (SC) aparecem na gravação chamando “as mulheres do Brasil” para se reunirem em apoio à democracia e à “construção de uma sociedade mais justa”.

Participantes

Com dezenas de deputados e senadores presentes, deverão abrir os discursos no trio elétrico os deputados Marco Feliciano (PL-RJ), Nikolas Ferreira (PL-MG) e o senador Magno Malta (PL-ES). Na sequência, estão previstos os pronunciamentos da ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro, do pastor Silas Malafaia — que promete subir o tom contra Alexandre de Moraes — e, por fim, de Bolsonaro.

Continua após a publicidade

Também deverão estar presentes ao menos cinco governadores alinhados a Bolsonaro e que, em maior ou menor grau, se colocam como herdeiros do espólio político do ex-presidente — Cláudio Castro (Rio de Janeiro), Tarcísio de Freitas (São Paulo), Romeu Zema (Minas Gerais), Ronaldo Caiado (Goiás) e Jorginho Mello (Santa Catarina).

Para viabilizar o evento, cerca de 25 parlamentares doaram cotas de 5.000 reais cada. O total de 125.000 reais deverá cobrir despesas com itens como o aluguel de dois trios elétricos, grades, filmagem e seguranças.

Musk e Moraes

Principal mote do evento, a defesa à democracia seguirá na ordem do dia, mas deverá ser “turbinada” pelos acontecimentos desta semana envolvendo um relatório divulgado pelor deputados americanos a respeito da conduta do ministro Alexandre de Moraes. Segundo aliados do ex-presidente, o documento é mais uma prova das medidas “antidemocráticas” levadas a cabo por Moraes no Brasil.

Publicado na quinta-feira, 17, pela ala republicana da Comissão de Justiça do Congresso dos Estados Unidos, o relatório traz mais de noventa ordens judiciais sigilosas enviadas à rede social para derrubar perfis na plataforma. Com 540 páginas, a publicação reúne ainda manifestações de deputados que classificam Moraes como “ditador”, mencionam a investigação determinada pelo ministro contra Elon Musk, dono do X, e elogiam a postura do bilionário por “se recusar a acatar os pedidos de censura do STF, notavelmente vindos de Moraes”.

Continua após a publicidade

Na última semana, Musk começou a disparar contra o Supremo acusações de censura e de conspiração para a eleição de Lula. Após o arroubo, o empresário foi incluído no chamado inquérito das milícias digitais, relatado por Moraes, que acusou o sul-africano de ter iniciado uma campanha de desinformação sobre a atuação do STF e do TSE, instigando a “desobediência e obstrução à Justiça, inclusive, em relação a organizações criminosas”.

Minuta de golpe

Segundo anunciado pelo próprio ex-presidente, um dos assuntos abordados será o que o entorno bolsonarista classifica de “fake news” a respeito da minuta de golpe encontrada pela Polícia Federal nos arquivos do celular do tenente-coronel Mauro Cid. O caso foi revelado por VEJA em junho do ano passado. Segundo investigação da Polícia Federal aberta para apurar o episódio, a peça seria uma das provas da implicação do envolvimento de Bolsonaro com uma conspiração para continuar no poder após a derrota eleitoral para Lula.

No ato em São Paulo, Bolsonaro já havia falado sobre o tema. Em seu discurso, se disse vítima de “violação de prerrogativas” nos processos dos quais é alvo no Supremo, pediu anistia a parte dos presos nos atos de 8 de janeiro de 2023 e negou qualquer tentativa de golpe. “O que é golpe? Golpe é tanque na rua, é arma, é conspiração. É trazer classes políticas para o seu lado, empresariais. É isso que é golpe. Nada disso foi feito no Brasil”, disse.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.