Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Lira anuncia grupo para fake news e tema volta à estaca zero na Câmara

Presidente da Casa estava sendo pressionado a pautar a matéria após declarações do dono da X, Elon Musk, que criticou o ministro Alexandre de Moraes, do STF

Por Valmar Hupsel Filho Atualizado em 9 Maio 2024, 12h30 - Publicado em 9 abr 2024, 17h35

O presidente da Câmara, Arthur Lira, (PP-AL), afirmou há pouco que a Casa vai criar um grupo de trabalho para, dentro de 30 ou 40 dias, discutir uma nova proposta para o projeto de lei que vai regulamentar as redes sociais. A decisão foi anunciada após reunião de líderes partidários na tarde desta terça-feira, 9. Com isso, a discussão sobre o tema retrocede para a estaca zero.

O projeto de lei 2.630/2020, conhecido como PL das Fake News, de autoria do senador Alessandro Vieira (MDB-SE), havia sido aprovado no Senado e enviado à Câmara no ano passado. Tinha a tramitação avançada na Casa, com parecer do relator, deputado Orlando Silva (PCdoB-SP). Com apoio de Lira e do governo Lula, quase foi à votação em maio de 2023.

O texto, no entanto, retirado na última hora em razão do temor de que fosse rejeitado. O PL das Fake News tinha ampla resistência da direita, em especial a bolsonarista, que via na sua aprovação um risco a sua atuação na internet, e estava parado desde o ano passado.

O debate sobre o tema reascendeu no cenário político brasileiro após recentes ataques do dono da rede social X, Elon Musk, ao ministro do Supremo Tribunal Federal, Alexandre de Moraes. Congresso e Judiciário passaram então a ser cobrados por uma decisão sobre a regulamentação das redes sociais. Na segunda-feira, o presidente do Congresso, senador Rodrigo Pacheco (PSD-MG), defendeu a aprovação da matéria sobre a regulamentação das redes sociais no Brasil.

No Supremo, duas reclamações que questionam artigos do Marco Civil da Internet estão prontas para serem votadas no plenário da Corte desde o ano passado. Mais cedo, o ministro Dias Toffoli, do Supremo, anunciou que devolveria até junho, para julgamento, uma reclamação que questiona um artigo do Marco Civil da Internet, que exime as redes sociais de responsabilidades pelo conteúdo publicado por seus usuários. Relator da segunda reclamação, o miminstro Luiz Fux não se pronunciou sobre o caso.

Continua após a publicidade

A criação do Grupo de Trabalho frustra a bancada do governo, que pressionava o presidente da Câmara para colocar a matéria em votação. Com a decisão desta terça-feira, os partidos agora terão que indicar os integrantes do GT, que elegerão um coordenador e um relator. A ideia é que a matéria seja rediscutida e seja feito um novo relatório até o final do primeiro semestre deste ano. A avaliação no Congresso é que o parecer de Orlando Silva está desgastado após meses de polêmica e resistência dos parlamentares de oposição.

 

 

 

 

(matéria em atualização)

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.