Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

A vitória de Eduardo Bolsonaro sobre professora que se sentiu ofendida

Deputado federal chegou a comparar educadores com traficantes

Por Sérgio Quintella Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 8 ago 2023, 13h40 - Publicado em 8 ago 2023, 09h38

A Justiça de São Paulo negou um pedido de indenização feito por uma professora da rede municipal de São Caetano do Sul contra o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP). Em 9 de julho passado, durante um evento armamentista em Brasília, o parlamentar afirmou “não haver diferença de um professor doutrinador para um traficante de drogas”. A fala gerou uma série de reclamações de órgãos e profissionais de educação, com alguns processos judiciais contra o parlamentar.

Em um deles, a professora Catarina Peres Troiano afirmou que a declaração a ofendeu pessoalmente, embora não tenha sido citada pelo deputado. “Enquanto professora, e servidora pública, ela se vê como alvo inspirado pelo clima de tensão e hostilidade que as falas do deputado difundem na sociedade”, afirmou o seu advogado, na ação em que pede uma indenização de 20.000 reais, a título de danos morais.

Para a juíza Roseleine Belver dos Santos Ricci, da 1° Vara do Juizado Cível de São Paulo, o pedido é improcedente por duas questões. A primeira é sobre a imunidade parlamentar de Eduardo Bolsonaro. “Sendo o réu parlamentar federal, goza de imunidades civis e criminais por quaisquer de suas opiniões, palavras e votos que tenham pertinência ao exercício de suas funções.”

O segundo motivo para a rejeição da denúncia é o fato de a professora não ter sido citada pelo parlamentar. “(As falas) não se dirigem pessoalmente à autora, mas, tão meramente, traduzem-se em opiniões políticas a respeito do tema da doutrinação das escolas, que guardam pertinência com o alinhamento político e exercício da atividade parlamentar do réu”, afirmou a magistrada. 

Continua após a publicidade

Como a decisão é de primeiro grau, cabe recurso.

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.