Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Governo divulga propostas para combater o racismo no esporte

Ações estão contidas em documento elaborado pelos ministérios da Igualdade Racial, do Esporte e da Justiça e Segurança Pública

Por Diego Alejandro
Atualizado em 8 ago 2023, 13h06 - Publicado em 7 ago 2023, 18h27

O Grupo de Trabalho de Combate ao Racismo no Esporte, parceria entre integrantes dos ministérios do Esporte, da Igualdade Racial e da Justiça e Segurança Pública divulgou na última quinta-feira, 3, o primeiro relatório com ações voltadas para entidades esportivas, atletas, torcidas e sistema judiciário.

Trata-se de um documento com o plano de ação do governo para o enfrentamento do racismo e a promoção da igualdade racial no esporte, que traz pontos relevantes como um acordo de cooperação técnica que será firmado com a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) para a construção do Projeto Estádio Seguro, que prevê o monitoramento dos estádios brasileiros.

De acordo com Marivaldo Pereira, o secretário de Acesso à Justiça, do Ministério da Justiça e Segurança Pública,  a ideia é a implantação de uma ferramenta nos estádios que permita às autoridades públicas identificar quem comete atos racistas durante as partidas de futebol. “O que se busca não é a punição, mas sim inibir a prática do ato”, afirmou.

A expectativa é concluir este acordo até o final de agosto, começando pelos estádios de futebol, que é onde se tem uma maior incidência da prática de crimes como esses, segundo o secretário. Uma prova de conceito já foi feita no estádio do Maracanã e a ferramenta foi testada com sucesso.

Continua após a publicidade

Outra ação prevista para sair ainda no segundo semestre é a criação de um selo e um prêmio para entidades esportivas antirracistas, medida que feita em parceria com o Pacto pelo Esporte, acordo privado e voluntário entre empresas patrocinadoras das atividades esportivas brasileiras. 

No relatório, o grupo técnico recomenda ainda a implantação de espaços de manifestação para atletas, atendimento psicológico aos desportistas negros, organização de debates e publicação de cartilhas direcionadas aos torcedores, e a criação da Autoridade Nacional para Prevenção e Combate à Violência e à Discriminação no Esporte ou órgão similar, além da adoção de dispositivos antirracistas no esporte amador, de lazer e escolar. Segundo Ana Moser, os trabalhos do grupo devem ser prorrogados por 45 dias. 

“Quando a gente fala de [combate ao] racismo no esporte, a gente fala de como criar condições para as crianças que não têm acesso a se manterem nesses espaços”, disse a ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, que também ressaltou as ações no âmbito do Programa de Combate ao Racismo no Esporte, que irão perpassar pela realidade de crianças, jovens, atletas e técnicos que lidam diariamente com preconceito e discriminação. 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.