Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

A tímida reação de Elon Musk a ato de Bolsonaro em Copacabana

Apesar de homenagens, dono do X evitou comentar manifestação e voltou a dizer que Moraes é 'contra a democracia'

Por Laísa Dall'Agnol Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 9 Maio 2024, 12h09 - Publicado em 21 abr 2024, 16h53

Um dos principais “assuntos” do ato de Jair Bolsonaro na Praia de Copacabana, o bilionário Elon Musk evitou fazer manifestações contundentes de apoio ao evento neste domingo, 21.

O dono do “X” (antigo Twitter) limitou-se a comentar publicações de outras pessoas sobre o ato. “Onde está a multidão aplaudindo o tirano ‘Alexandre de Voldemort’ e a censura no Brasil? Não há”, publicou um usuário em alusão ao ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF). O post compartilhava uma foto do deputado Nikolas Ferreira (PL-MG) segurando uma faixa de “agradecimento” a Musk.

“Porque ele é contra a vontade do povo e, portanto, contra a democracia”, respondeu o bilionário em sua conta na rede social.

Mais cedo, Elon Musk também compartilhou uma publicação que defendia o “cumprimento da lei” no Brasil. “Pra deixar claro: o X só está tentando seguir as leis do Brasil sem favorecer ou desfavorecer nenhum candidato político”, dizia o post.

Continua após a publicidade

Aplausos e homenagem

Apesar do posicionamento contido via redes sociais, Elon Musk foi homenageado como uma das maiores figuras de prestígio no ato deste domingo, 21. O deputado Gustavo Gayer (PL-GO) fez questão de traduzir parte de seu discurso para o inglês — disse que Musk estaria “olhando” e defendeu a “liberdade e a democracia”. Pelas redes, aliados de Bolsonaro também fizeram incessantes postagens marcando o bilionário e pedindo atenção ao ato que levou milhares de pessoas à Praia de Copacabana.

Continua após a publicidade

O próprio ex-presidente pediu uma salva de palmas ao magnata. “Quando eu estive com Elon Musk, em 2022, começaram a me chamar de mito. Eu falei: não. Aqui, em 2022, aqui sim temos um mito da liberdade: Elon Musk”, disse à multidão.

As falas mais duras ficaram a cargo de Silas Malafaia, um dos organizadores do evento. Em seu discurso inflamado, o pastor subiu o tom, chamou Alexandre de Moraes de “ditador” e disse que Moraes representa “risco a democracia”.

Musk x Moraes

No início de abril, Musk começou a disparar contra o STF acusações de censura e de conspiração para a eleição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Após o arroubo, o empresário foi incluído no chamado inquérito das milícias digitais, relatado por Alexandre de Moraes, que acusou o sul-africano de ter iniciado uma campanha de desinformação sobre a atuação do STF e do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), instigando a “desobediência e obstrução à Justiça, inclusive, em relação a organizações criminosas”.

Continua após a publicidade

Já na última quinta-feira, 17, a ala republicana da Comissão de Justiça do Congresso dos Estados Unidos publicou um relatório com mais de noventa ordens judiciais sigilosas enviadas à rede social para derrubar perfis na plataforma. Com 540 páginas, a publicação reúne ainda manifestações de deputados que classificam Moraes como “ditador”, mencionam a investigação determinada pelo ministro contra Elon Musk, e elogiam a postura do bilionário por “se recusar a acatar os pedidos de censura do STF, notavelmente vindos de Moraes”.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.