Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Letra de Médico Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Orientações médicas e textos de saúde assinados por profissionais de primeira linha do Brasil
Continua após publicidade

Por que infecções em geral podem ameaçar o coração?

Covid-19, gripe e outras doenças causadas por vírus e bactérias chegam a repercutir no estado cardiovascular. Mas existem medidas preventivas

Por Edmo Atique Gabriel*
Atualizado em 24 jan 2024, 10h50 - Publicado em 24 jan 2024, 10h39

A primeira mensagem que gostaria de transmitir: uma infecção, seja por vírus, seja por bactérias ou fungos, não é um acontecimento isolado no organismo. Por trás dela existe toda uma reação do sistema imune, bem como um processo inflamatório desencadeado para conter o agente infeccioso. Nessa situação, moléculas como radicais livres são liberadas em grande quantidade na circulação, podendo gerar mudanças significativas nos vasos sanguíneos e em órgãos como o coração.

Veias e artérias são condutos por onde o sangue passa, levando oxigênio e nutrientes para todo canto do corpo. Esses vasos contraem e dilatam em ritmo harmônico, permitindo o escoamento do líquido vital. Fatores como a pressão arterial participam dessa história.

Ocorre que uma infecção pode prejudicar sensivelmente o estado e a movimentação dos vasos sanguíneos, resultando em variações anormais na pressão arterial. Tanto toxinas infecciosas como substâncias inflamatórias podem atingir a parede de veias e artérias, contribuindo para uma contração ou dilatação prolongadas, por trás do aumento ou da queda da pressão, respectivamente.

A inflamação fora de controle ainda é capaz de estimular a ruptura de placas que entopem os vasos – estopim para infartos. E não é apenas o coração que corre risco. Steven Crowley, reputado professor da Universidade Duke, nos EUA, alerta para os efeitos indiretos nos rins, aumentando a probabilidade de retenção de sal e água e, por extensão, de hipertensão – processo que fomenta ataques cardíacos, arritmia, derrame e insuficiência cardíaca.

+ LEIA TAMBÉM: O que fazer para evitar uma tragédia cardiovascular?

Pane no sistema

Processos infecciosos geram alterações significativas no ambiente químico e elétrico de nossas células, desequilibrando reações complexas nessas pequenas usinas que, de forma silenciosa, garantem nossa sobrevivência. Isso é representado por uma conceito bem conhecido dos cientistas, o estresse oxidativo. Em resumo, nossas células são expostas a mais e mais radicais livres, perdendo sua função e envelhecendo em ritmo acelerado – é como se estivessem enferrujando.

Imagine esse processo acontecendo em nossos vasos sanguíneos. Um prejuízo tamanho às artérias e veias que comprometerá o fluxo ativo de sangue e aumentará o risco de desabastecimento e falência de órgãos.

Sabe-se que o estresse oxidativo também eleva a concentração de óxido nítrico na circulação. Essa substância é um vasodilatador natural, mas, em alta concentração, pode deixar os vasos excessivamente abertos por período prolongado, situação problemática conhecida como vasoplegia.

O perigo, claro, é maior quando a infecção é bem-sucedida e deixa de ser local, tendo repercussões sistêmicas. Aí, a depender do paciente, aumenta consideravelmente o risco de complicações cardiovasculares, tanto na fase aguda como no estágio crônico da sepse. Pesquisadores da Universidade de Pittsburgh, nos EUA, elencaram num modelo conceitual os fenômenos e as ameaças envolvidas nesse quadro.

Continua após a publicidade

Enquanto na fase aguda da sepse os principais eventos são a tempestade inflamatória, a ruptura de placas de gordura dentro dos vasos e infartos, entre outros, na fase crônica observam-se aumento no risco de trombose, endurecimento das artérias e formação de cicatrizes no coração, por exemplo.

Tudo isso nos permite concluir que não se deve subestimar nenhum tipo de infecção, não só pelos seus sintomas e manifestações clássicas, mas também pelas consequências cardiovasculares potencialmente letais. Os cuidados precisam ser redobrados para pacientes que já possuem fatores de risco, como diabéticos e hipertensos. Ao menos temos vacinas para evitar ou abrandar o estrago provocado pelos micróbios.

* Edmo Atique Gabriel é cardiologista e cirurgião cardíaco, professor universitário e coordenador do curso de medicina da Unilago, em São José do Rio Preto (SP)

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.