Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
José Casado Por José Casado Informação e análise

STF já tem o desenho da saída da crise com Bolsonaro

Decisão será coletiva, mas não há urgência. Até lá o deputado continua condenado à prisão, multas e inelegível — interditado para cargo ou função pública

Por José Casado Atualizado em 27 abr 2022, 04h25 - Publicado em 27 abr 2022, 08h00

Na quinta-feira passada, Jair Bolsonaro jogou uma casca de banana no plenário do Supremo Tribunal Federal ao usar o poder, a caneta e o Diário Oficial para proteger um amigo, Daniel Silveira, deputado federal pelo PTB do Rio.

A armadilha ficou visível na meia dúzia de palavras finais do decreto de indulto ao condenado a oito anos e nove meses de prisão por crimes contra o regime democrático e ameaças de morte aos juízes do STF e familiares.

O decreto suspende as sanções de prisão, as multas e, também, as “penas restritivas de direitos”. Na prática, concede uma espécie de “anistia” ao deputado delinquente, atropelando a Constituição e a Lei da Ficha Limpa, para que ele possa se candidatar nas eleições de outubro.

Bolsonaro fez uma jogada estudada, astuciosa, para alavancar a própria candidatura à reeleição na esteira da repercussão de um conflito com o Judiciário. Apostou no tumulto do processo eleitoral e na instabilidade institucional.

Ontem, o Supremo começou a desenhar a saída da crise inventada por Bolsonaro em despachos dos juízes Alexandre de Moraes, no processo do deputado condenado, e de Rosa Weber, relatora das ações de três partidos (PDT, Psol e Cidadania) que pretendem anular o decreto.

Weber e Moraes avisaram que a decisão definitiva será do plenário. Como não há data prevista, até lá o deputado continua sentenciado à prisão, multas e inelegível, com todos os processos em andamento. Por enquanto, continua obrigado a uma série de procedimentos, como usar tornozeleira eletrônica e a prestar contas ao tribunal, sempre que interpelado.

Não há urgência. A premissa para o relógio do STF começar a andar é a publicação da sentença ou “acórdão condenatório”. E então ocorre a primeira análise — a do momento em que passa a valer a extinção das penas, como prevê o decreto.

Continua após a publicidade

Isso porque, escreveu Moraes, indulto, graça ou clemência são cabíveis somente após o fim do processo penal — o “trânsito em julgado” —, conforme a coletânea de decisões, ou jurisprudência, “amplamente majoritária” nos tribunais superiores.

É certo, lembrou, o Supremo, que o Superior Tribunal de Justiça (STJ) e o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) atravessaram as últimas três décadas com uma definição consensual estabelecida: “A concessão do indulto extingue a pena, mas não o crime, de modo que não são afastados os efeitos secundários do acórdão condenatório [sentença], dentre os quais a interdição do exercício de função ou cargo públicos.”

Dessa forma, o caso do deputado condenado já estaria liquidado em pelo menos um aspecto — ele vai ficar inelegível e impedido de ocupar qualquer cargo ou função pública a partir da condenação, ainda que o Supremo considere constitucional o decreto de Bolsonaro.

Quanto ao mandato que possui, atualmente, o problema é do Legislativo e não do Judiciário. Somente a Câmara e o Senado é que podem cassar mandatos. Isso, no entanto, só pode ser decidido pelos parlamentares a partir do momento em que o processo chegar ao fim, com a publicação da sentença.

É difícil imaginar que deputados e senadores se disponham a enfrentar o eleitorado numa dura batalha pela reeleição defendendo um deputado condenado por crimes contra a Constituição e por ameaça de morte a juízes e seus familiares.

Além disso, para deixá-lo elegível, como pretende Bolsonaro no decreto, precisariam dispor de tempo para votar mudanças na legislação. Tanto na Lei de Ficha Limpa, um símbolo anticorrupção, quanto na Constituição, o que exige aprovação com maioria absoluta, em dois turnos de votação, na Câmara e no Senado.

O tempo da Justiça é diferente, mais relativo do que na política. Às vezes, abre espaço para a coincidência de interesses nos Três Poderes. Pode-se, também, chamar de “jeitinho”.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)