Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Em Cartaz

Por Raquel Carneiro
Do cinema ao streaming, um blog com estreias, notícias e dicas de filmes que valem o ingresso – e alertas sobre os que não valem nem uma pipoca
Continua após publicidade

O polêmico documentário da Netflix acusado de forjar imagens com IA

'O Que Jennifer Fez?' é um dos filmes mais vistos pela plataforma no Brasil, mas imagens suspeitas apontam uso de Inteligência Artificial

Por Thiago Gelli Atualizado em 9 Maio 2024, 12h08 - Publicado em 22 abr 2024, 11h56

O documentário O Que Jennifer Fez? vem chamando atenção dos assinantes da Netflix desde sua estreia em 10 de abril, figurando entre os dez longas-metragens mais vistos da plataforma desde então. Para além da curiosidade mórbida, entretanto, há outro motivo para o interesse — a produção é acusada de usar a inteligência artificial para gerar imagens falsas, utilizadas para a dramatização da narrativa. Duas imagens específicas mostram a assassina Jennifer Pan alegre carregam imperfeições características da tecnologia: dedos deformados, detalhes retorcidos, falhas de geometria e detalhes anatômicos incondizentes com a realidade, entre outros.

O filme de menos de 90 minutos conta a história de Jennifer Pan, condenada à prisão perpétua em 2010 após contratar um assassino de aluguel a fim de herdar meio milhão de dólares dos pais. O crime deixou o pai da menina ferido e a mãe, morta. Como no infame caso de Suzane Von Richthofen, a própria menina denunciou o crime à polícia em tentativa de aparentar inocência, mas não conseguiu manter a farsa de pé ao longo da investigação.

Dirigido pela documentarista Jenny Popplewell, o longa utiliza as imagens supostamente geradas por IA para ilustrar momentos descontraídos da protagonista que aumentam o choque em torno de suas ações. Durante a exibição das fotos, um antigo amigo de Jennifer a descreve como “alegre, feliz, confiante e muito genuína” e alega que a jovem queria se rebelar contra a pressão acadêmica dos pais.

Dente longo demais, brincos assimétricos e textura apontam o uso de IA
Dente longo demais, brincos assimétricos e textura apontam o uso de IA (Netflix/Reprodução)

Em alta na ficção, a inteligência artificial vem sendo implementada no departamento de arte de diversas séries e filmes, chegando até a superproduções como Invasão Secreta, da Marvel. Já sua utilização no contexto documental põe em xeque os preceitos do formato, comprometido com a busca de relatos embasados e imagens de arquivo certificadas para combater a desinformação e deep fakes, imagens manipuladas que podem parecer reais. Até o momento, a Netflix não se pronunciou sobre o assunto.

Acompanhe notícias e dicas culturais nos blogs a seguir:

Tela Plana para novidades da TV e do streaming
O Som e a Fúria sobre artistas e lançamentos musicais
Em Cartaz traz dicas de filmes no cinema e no streaming
Livros para notícias sobre literatura e mercado editorial

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.