Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Em Cartaz Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO

Por Raquel Carneiro
Do cinema ao streaming, um blog com estreias, notícias e dicas de filmes que valem o ingresso – e alertas sobre os que não valem nem uma pipoca
Continua após publicidade

‘Jurassic World: Domínio’: 1 verdade e 2 mentiras sobre os dinos do longa

Desde dinossauros com penas até a representação do velociraptor na franquia, confira o que é real e o que é ficção no último capítulo da saga

Por Marcelo Canquerino Atualizado em 12 jul 2022, 15h12 - Publicado em 12 jul 2022, 09h58

Desde o lançamento do primeiro filme da franquia Jurassic Park, em 1993, a curiosidade em torno dos dinossauros em cena — e como seria se eles vivessem nos dias de hoje — só aumentou. O longa de Steve Spielberg rendeu duas continuações e uma nova trilogia, que chegou ao final este ano com Jurassic World: Domínio. No último capítulo da saga, Claire (Bryce Dallas Howard) e Owen (Chris Pratt) precisam solucionar um problema assustador: após sobreviveram ao desastre da ilha onde ficava o parque, os dinos tomaram conta da Terra. Entre elementos ficcionais e embasamento científico, confira o que é real e o que é inventado sobre os dinossauros no filme: 

Dinossauros tinham penas – VERDADE

.
Em Jurassic World: Domínio, alguns dinossauros são representados com penas. (Universal/Divulgação)

Em 2001, um fóssil de dinossauro desenterrado na China confirmou aquilo que os paleontólogos falavam há décadas: dinossauros realmente tinham penas. Diferentemente dos primeiros filmes de Jurassic Park, o sexto longa da franquia apostou em mais evidências científicas para construir algumas das espécies que aparecem na história. Um bom exemplo retratado em Jurassic World é o do herbívoro Therezinosaurus, poderoso dinossauro que, além de possuir garras mais longas do que o tamanho de uma criança humana, é coberto de pequenas penas felpudas — assim como teria sido na vida real. Outro aspecto que a produção acerta são as cores das penas. De acordo com um texto publicado pelo cientista Ben Igielman, da Universidade de Oxford, no site The Conversation, os paleontólogos conseguiram descobrir, a partir de pigmentos preservados, que preto, vermelho e marrom eram as principais cores das penas de certas espécies de dinossauros. 

Continua após a publicidade

Os Velociraptors eram super inteligentes – MENTIRA 

Chris Pratt em cena de 'Jurassic World'
Chris Pratt em cena de ‘Jurassic World’ (Universal Pictures/Reprodução)

Apesar de Jurassic World: Domínio tentar corrigir erros científicos na representação do Velociraptor — como, por exemplo, mostrá-lo com penas — este dinossauro é o que mais sofre com mentiras a seu respeito ao longo de toda a franquia. Os erros foram carregados de filme para filme porque o Velociraptor presente no livro Jurassic Park, de Michael Crichton, base para a adaptação de Steven Spielberg em 1993, na verdade foi inspirado em outro dinossauro descrito na publicação Predatory Dinosaurs of The World, do pesquisador Gregory S. Paul. O bicho em questão era do gênero Deinonychus, que tinha o tamanho de um ser humano e caçava em bandos. O Velociraptor da vida real era muito mais modesto em tamanho (não maior do que um peru). Spielberg, porém, insistiu para que seus Velociraptors fossem maiores e eles começaram a ter características de outro gênero de dinossauro: o Utahraptor, maior espécie de raptor já registrada. Além do tamanho, outra característica mudada pelos filmes, principalmente os mais atuais da trilogia Jurassic World, é a inteligência desses animais. Nas telas, extremamente espertos, mas na vida real, segundo o paleontólogo Jim Kirkland, em entrevista a Variety, “eles não são tão inteligentes quanto, digamos, um lobo”. 

Continua após a publicidade

Alguns dinossauros eram enormes e conviveram no mesmo tempo – MENTIRA

ESTRELA - T-Rex em Domínio: famoso no filme de 1993, ele ainda mesmeriza a plateia -
ESTRELA - T-Rex em Domínio: famoso no filme de 1993, ele ainda mesmeriza a plateia – (Universal Pictures/.)

O principal dinossauro que sofre em matéria de tamanho no novo Jurassic World é o Gigantossauro. No filme, ele é retratado como sendo muito maior do que o temido Tiranossauro rex e podendo derrotá-lo facilmente. Apesar de existirem discussões sobre qual dos dois era maior, eles tinham um tamanho semelhante. Além dessa diferença gritante, o longa apresenta um erro pior — essas espécies de dinossauros, que travam uma batalha nas telas, não existiram na mesma época e no mesmo lugar. Ambos viveram no período Cretáceo, mas o T-rex habitou o planeta há cerca de 68 milhões de anos, onde hoje fica a América do Norte, enquanto o Gigantossauro viveu há 99 milhões de anos na região em que hoje fica a América do Sul. O mesmo acontece com outros dinossauros que apareceram no filme, como o Iguanodonte e o Nasutoceratops, que existiram em tempos e locais diferentes. 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.