Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Em Cartaz

Por Raquel Carneiro
Do cinema ao streaming, um blog com estreias, notícias e dicas de filmes que valem o ingresso – e alertas sobre os que não valem nem uma pipoca
Continua após publicidade

Diretora de ‘Barbie’ e estrela negra ganham destaque em Cannes e Berlim

Atrizes célebres em Hollywood vão comandar os júris dos mais influentes festivais europeus, responsáveis por celebrar o cinema internacional

Por Da Redação Atualizado em 9 Maio 2024, 18h31 - Publicado em 14 dez 2023, 12h44

Em 2023, o cinema feminista quebrou o velho paradigma dos blockbusters másculos e colocou Barbie — e suas críticas ao patriarcado — no topo das bilheterias. No ano seguinte – que nem começou – o efeito dominó já pode ser sentido: o festival de Cannes confirmou na manhã desta quinta-feira, 14 de dezembro, que Greta Gerwig, diretora do hit cor-de-rosa, será presidente do júri durante a edição que ocorre entre 14 e 25 de maio. Já na vizinha Alemanha, Lupita Nyong’o, encabeçará o quadro avaliador do Festival de Berlim, em fevereiro. Atriz e ativista conhecida por declarações anti-racistas e feministas, ela também trabalha com a organização ugandense Mother Health International, que assegura cuidados médicos a mulheres em nações subdesenvolvidas.

A Berlinale ocorre de 15 a 25 de fevereiro na capital alemã. Em comunicado oficial, os organizadores afirmaram que a Nyong’o encarna “versatilidade para realizar diferentes projetos” e carrega “coerência que é bastante reconhecível em seus personagens, por mais diversos que pareçam”. Em suas redes, ela afirmou se sentir honrada pelo título, que sucede a liderança de Kristen Stewart em 2023. O festival tem um histórico feminino melhor que Cannes, tendo selecionado 24 mulheres para o cargo, contra 13 do francês. Por outro lado, Lupita é a primeira pessoa negra e africana a ocupar a posição.

Já Cannes deve lotar a pequena cidade do litoral francês com estrelas glamourosas e os ricaços habituais entre 14 e 25 de maio. Aos 40, Greta é a presidente de júri mais jovem desde 1966, quando Sophia Loren comandou a cerimônia aos 31 anos, e a primeira mulher americana a presidir o quadro na história. Sob as responsabilidades do cargo, ela deve avaliar os filmes selecionados com os colegas de júri — ainda não divulgados — para entregar a Palma de Ouro. Na última década, apenas duas cineastas levaram o prêmio máximo: Justine Triet, por Anatomia de Uma Queda (2023), e Julia Ducournau, por Titane (2021).

Acompanhe notícias e dicas culturais nos blogs a seguir:

Tela Plana para novidades da TV e do streaming
O Som e a Fúria sobre artistas e lançamentos musicais
Em Cartaz traz dicas de filmes no cinema e no streaming
Livros para notícias sobre literatura e mercado editorial

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.