Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Clarissa Oliveira Notas sobre política e economia. Análises, vídeos e informações exclusivas de bastidores

Em plano eleitoral, Bolsonaro faz pouco caso até da Justiça internacional

Ao buscar o Judiciário como caminho para alimentar o embate com Alexandre de Moraes, presidente age para mobilizar base e firmar paralelo com Lula

Por Clarissa Oliveira 19 Maio 2022, 07h50

O presidente Jair Bolsonaro decidiu nesta semana trocar o bate-boca público com o Supremo Tribunal Federal (STF) por ações judiciais tendo como alvo o ministro Alexandre de Moraes. Primeiro, buscou o mesmo Supremo atacado por ele para alegar um abuso de poder por parte do magistrado. Diante da recusa do ministro Dias Toffoli em dar seguimento ao caso, acionou a Procuradoria-Geral da República. Todos caminhos legítimos, já que alega ser alvo de uma perseguição. Mas não se trata de obter uma decisão judicial. Tudo ali segue à risca a estratégia eleitoral do presidente.

Segundo relatos feitos à coluna por pessoas próximas a Bolsonaro, se tem algo que a campanha do presidente aprendeu com o caso Daniel Silveira é que a briga com o Supremo ainda é o mecanismo mais eficiente para mobilizar a base bolsonarista. Mas, em ano de eleição, a ordem é não extrapolar. “É impressionante o resultado que isso gerou. Mas sabemos que não dá para esticar demais a corda. Isso tem que ser feito seguindo à risca o que está na lei, seguindo a Constituição”, disse um aliado próximo de Bolsonaro. Exatamente como foi feito na concessão do indulto a Silveira, exemplificou.

Assim, o caminho escolhido foi a via judicial. As ações contra Alexandre de Moraes seriam, em tese, dois passos iniciais de uma estratégia maior: acionar Moraes também em tribunais internacionais. Ao menos é isso o que assessores palacianos fizeram circular ontem, diante da recusa de Toffoli em dar seguimento à ação contra Moraes. A informação foi veiculada inicialmente pelo colunista Igor Gadelha, do portal Metrópoles, e depois pela CNN. Mais uma vez, um caminho legítimo. Tudo dentro da lei. Como manda o script para manter a base do presidente animada.

O plano de Bolsonaro cria, inevitavelmente, um paralelo com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que conseguiu levar o Comitê de Direitos Humanos da ONU à conclusão de que seus direitos políticos foram desrespeitados e que o julgamento que resultou na sua prisão foi parcial. Se for para comparar os dois casos, a ideia é basicamente transformar Alexandre de Moraes no equivalente do ex-juiz Sergio Moro.

Resta saber se o mesmo Bolsonaro que estaria avaliando recorrer à Justiça internacional contra Alexandre de Moraes vai cumprir a determinação da ONU para que o governo brasileiro conceda uma reparação a Lula. A defesa de Lula insiste que a medida tem que ser cumprida. Lembra que uma eventual recusa de Bolsonaro em conceder a reparação a Lula em 180 dias, como diz a ONU, deixaria o Brasil inadimplente com suas obrigações internacionais. O prazo está correndo.

+Amarelas On Air: Indulto a Daniel Silveira foi ‘remédio necessário’, diz Tarcísio de Freitas

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)