Clique e assine a partir de 9,90/mês

Marte: Os planos de Elon Musk para colonizar o planeta vermelho

O fundador da SpaceX anunciou que a nave ITS conseguiria levar até 100 humanos para o planeta vermelho em 30 a 80 dias; passagem custaria 200.000 dólares

Por Da redação - 28 Sep 2016, 11h46

O bilionário Elon Musk, fundador da SpaceX, anunciou na última terça-feira seus planos para colonizar Marte. O projeto de Musk é um foguete grande o suficiente para realizar diversas viagens de ida e volta ao planeta vermelho carregando uma grande quantidade de pessoas. Elon Musk apresentou os projetos no Congresso Internacional de Astronáutica, no México.

Chamado Interplanetary Transport System (ITS), o foguete teria mais de 70 metros de altura, sendo o maior já construído. Com o ITS, a SpaceX conseguiria levar até 100 humanos para o planeta vermelho em 30 a 80 dias, viajando a uma velocidade de cruzeiro de 100.000 quilômetros por hora.

Funcionamento

Em um vídeo (confira abaixo) divulgado pela companhia durante a apresentação, é possível compreender o funcionamento de ITS. A ideia de Musk é enviá-lo ao espaço com ajuda de um motor muito potente – que já está sendo testado – e, após a nave entrar em órbita, o primeiro estágio do foguete voltaria para Cabo Canaveral, na Flórida. Ao chegar em terra novamente, outro módulo seria acoplado ao primeiro estágio do foguete e ambos seriam reenviados para o espaço, com destino à nave da viagem – o módulo de combustível iria acoplar-se à nave de passageiros, abastecendo-a.

Dessa forma, o foguete não precisa estar cheio com todo o combustível necessário para uma viagem até Marte, pois consegue ser “alimentado” no espaço diversas vezes. Além disso, painéis solares serão abertos durante o percurso para auxiliar na obtenção de energia de ITS.

Continua após a publicidade

Ao chegar em solo marciano, a nave terá auxílio de um retropropulsor para pousar. Como o sistema de alimentação dos motores poderá ser feito com metano (substância que poderia ser fabricada em Marte), a nave conseguiria ser enviada de volta para a Terra sem problemas. A companhia ainda afirma que, se eles efetivamente conseguirem abastecer os foguetes no espaço, ITS poderá viajar para qualquer lugar do nosso sistema solar, tornando o humano “interplanetário” – isso significa que poderíamos ir, inclusive, até as famosas luas de Júpiter. 

Leia também:
SpaceX pode ter descoberto a origem da explosão de foguete
Pela primeira vez, foguete da SpaceX pousa em plataforma oceânica

De acordo com o bilionário, atualmente uma viagem dessas custaria o equivalente a 10 milhões de dólares – e, se ele está projetando criar uma civilização no planeta vermelho, esse montante seria impensável. Para isso, Musk pretende baratear a aventura: com o valor de 200.000 dólares, uma pessoa garantiria um lugar na ITS. Como a viagem é muito longa, a SpaceX a tornaria um período “divertido”: na nave, os viajantes poderão aproveitar diversas atrações como brinquedos de gravidade zero, restaurantes que servirão pizza e salas de cinema.

A SpaceX disse que seu plano é enviar a cápsula de carga não tripulada Dragon para Marte em 2018, criando um caminho para uma missão humana que deixaria a Terra em 2024 e chegaria ao Planeta Vermelho no ano seguinte.

Problemas

Para especialistas, chegar a Marte – a uma distância média de 225 milhões de quilômetros da Terra – e viver lá exigiria uma verdadeira proeza de engenharia e um investimento enorme. Assim, um dos grandes problemas do ambicioso projeto de Musk é que, mesmo que ele seja bilionário e a SpaceX consiga atuar de forma brilhante nos últimos anos (mesmo que com problemas em alguns foguetes), o dinheiro necessário para realizar esse tipo de esforço está muito distante das possibilidades da companhia.

Continua após a publicidade

“Estamos falando de muitos bilhões de dólares e a SpaceX não tem essa quantidade de dinheiro”, assinala John Logsdon, ex-diretor do Instituto de Política Espacial na Universidade George Washington à AFP. Logson também lembra que Musk já programou erroneamente lançamentos de foguetes SpaceX e assinala que a empresa teria que se associar com uma agência espacial governamental para financiar semelhante missão.

Confira o vídeo do projeto:

Publicidade