Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Forma como um grupo se alimenta pode influenciar as escolhas individuais, diz estudo

Segundo os pesquisadores, a análise mostrou uma forte associação entre a alimentação e a identidade social

Um grupo de pesquisadores do Reino Unido descobriu que conhecer os hábitos alimentares de outras pessoas de um mesmo grupo social pode influenciar as escolhas e a quantidade de comida ingerida por um indivíduo. Para chegar a essa conclusão, eles analisaram diversos estudos experimentais já publicados sobre o assunto. A nova pesquisa foi publicada nesta segunda-feira, no periódico Journal of the Academy of Nutrition and Dietetics.

CONHEÇA A PESQUISA

Título original: What Everyone Else Is Eating: A Systematic Review and Meta-Analysis of the Effect of Informational Eating Norms on Eating Behavior

Onde foi divulgada: periódico Journal of the Academy of Nutrition and Dietetics

Quem fez: Eric Robinson, Jason Thomas, Paul Aveyard e Suzanne Higgs

Instituição: Universidade de Liverpool, Inglaterra, e outras

Resultado: O estudo mostrou ainda uma forte associação entre a alimentação e a identidade social. Se os participantes eram informados de que os demais estavam fazendo escolhas alimentares de baixa caloria ou mais calóricas, por exemplo, a chance de que eles fizessem escolhas parecidas era maior.

Esta revisão teve como base 15 estudos, de 11 periódicos diferentes. Oitos deles analisavam como informações sobre normas de alimentação eram capazes de influenciar os alimentos consumidos pelos participantes, enquanto os outros 7 observavam os efeitos das regras recomendadas para escolha de alimentos na forma como as pessoas decidem o que comer. Após a análise dos dados, os pesquisadores encontraram evidências de que as regras sociais, de fato, afetam a alimentação.

Leia mais:

Obesidade pode afetar tomada de decisões

Gene da obesidade reduz risco de depressão, diz estudo

Identidade social – O novo estudo mostrou que, se os participantes eram informados de que os demais estavam fazendo escolhas alimentares de baixa caloria ou mais calóricas, a chance de que eles fizessem escolhas parecidas era maior. Sugerir que os outros comiam grandes quantidades de alimento também aumentou as porções ingeridas pelos voluntários. Segundo os pesquisadores, a análise mostrou ainda uma forte associação entre a alimentação e a identidade social.

“Em alguns contextos, seguir as normas alimentares pode ser uma forma de reforçar a identidade de um grupo social”, explica Eric Robinson, pesquisador da Universidade de Liverpool. “Dessa forma, se a noção de indivíduo de uma pessoa é fortemente guiada por sua identidade como um membro de uma comunidade, e essa comunidade tem o hábito de comer de forma saudável, essa pessoa teria uma tendência maior a ter o mesmo tipo de dieta, para manter uma identidade social”, explica o principal autor do estudo.

Os pesquisadores descobriram também que os mecanismos sociais que influenciam como uma pessoa decide se alimentar estão presentes, de forma inconsciente, mesmo quando ela come sozinha. “As normas influenciam o comportamento por meio da alteração do quanto um indivíduo considera aquele comportamento benéfico para ele. O comportamento humano pode ser guiado por uma percepção das normas do grupo, mesmo quando a pessoa não tem intenção de agradar os outros”, explica Robinson.