Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

STF quer que PF investigue responsáveis por ‘pixulecos’ de Lewandowski e Janot

Bonecos infláveis da manifestação do último dia 19 de junho em São Paulo foram classificados como “intolerável atentado à honra do chefe desse Poder"

Por Laryssa Borges Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 4 jun 2024, 22h59 - Publicado em 6 jul 2016, 18h17

O Supremo Tribunal Federal (STF) pediu nesta quarta-feira à Polícia Federal que abra investigação para apurar os responsáveis por levar bonecos infláveis do presidente do STF Ricardo Lewandowski e do procurador-geral da República Rodrigo Janot em uma manifestação no último dia 19 de junho em São Paulo. Em ofício encaminhado ao diretor-geral da PF Leandro Daiello, o secretário de Segurança do Murilo Hetz informa que Carla Zambeli Salgado foi identificada como líder da manifestação em que os “pixulecos” foram exibidos e classifica a iniciativa como “nefasta campanha difamatória”. No protesto, os bonecos foram apelidados de “Petralowski” e “Enganô”.

LEIA TAMBÉM:

Lewandowski rejeita (mais uma vez) incluir delação de Machado em impeachment

Para o STF, os bonecos de Lewandowski e Janot representam “grave ameaça à ordem pública e inaceitável atentado à credibilidade de uma das principais instituições que dão suporte ao Estado Democrático de Direito, qual seja, o Poder Judiciário, com o potencial de colocar em risco, sobretudo se foram reiteradas, o seu regular funcionamento”. Os pixulecos ficaram famosos ao retratarem como um presidiário o ex-presidente Lula em protestos de rua. Com a realização de mais manifestações contra escândalos de corrupção, também foram exibidos bonecos infláveis da presidente afastada Dilma Rousseff, do presidente afastado da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e do senador Aécio Neves (PSDB-MG).

No ofício à PF, o Supremo argumenta que os “pixulecos” do presidente do STF e do procurador-geral são um “intolerável atentado à honra do chefe desse Poder e, em consequência, à própria dignidade da justiça brasileira, extrapolando em muito a liberdade de expressão que o texto constitucional garante a todos os cidadãos, quanto mais não seja, por consubstanciarem em tese incitação à prática de crimes e à insubordinação em face de duas das mais altas autoridades do país”.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.