Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Sindicato dos metroviários decide greve em São Paulo no dia 5 de fevereiro

A categoria decretou Estado de Greve e paralisação afetará linhas 1-Azul, 2-Verde, 3-Vermelha e 15-Prata

Por Giovanna Romano - Atualizado em 18 jan 2019, 15h54 - Publicado em 18 jan 2019, 15h52

O Metrô de São Paulo pode sofrer uma paralisação geral no próximo dia 5 de fevereiro, conforme foi anunciado pelo sindicato dos metroviários após assembleia na noite desta quinta-feira, 17. Uma nova votação será realizada na véspera para decidir se a paralisação será realizada. A categoria decretou Estado de Greve e votou um “plano de lutas” para os trabalhadores.

Entre as reivindicações, o sindicato se colocou contra as privatizações e a terceirização das bilheterias, além de pedir pela manutenção da periculosidade, da escala-base e da equiparação. Eles também repudiaram a punição do coordenador-geral dos metroviários, Alex Fernandes, e afirmaram que o metrô “cercou a liberdade de expressão do companheiro”.

Além da paralisação, eles também convocaram alguns atos, mutirões, reuniões e assembleias durante esse período que o sindicato ficará no Estado de Greve, que começou após a última assembleia e está previsto para acabar no dia 22 de fevereiro.

Os trabalhadores deverão se reunir no dia 4 de fevereiro, um dia antes da paralisação, para decidir se a greve realmente irá acontecer. Com a confirmação, serão afetadas as linhas 1-Azul, 2-Verde, 3-Vermelha e 15-Prata.

Publicidade