Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Quarta morte em desabamento de prédio em Fortaleza é confirmada

A busca por sobreviventes continua nesta quinta-feira — cerca de 150 bombeiros estão trabalhando no resgate de vítimas

Por Giovanna Romano - 17 out 2019, 09h55

O Corpo de Bombeiros do Ceará informou na manhã desta quinta-feira, 17, que retirou dos escombros mais um corpo de uma vítima do edifício que desabou em Fortaleza na última terça-feira, 15. Ainda não se sabe o nome da pessoa. A informação foi confirmada a VEJA pela assessoria da Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social do estado.

Até a última atualização, sete pessoas haviam sido resgatadas com vida dos escombros desde terça. Outras quatro vítimas morreram no desabamento — entre elas, Izaura Marques Menezes, de 81 anos, e Frederick Santana dos Santos, de 30 anos. Seis pessoas reportadas como presentes no local do desabamento seguem como desaparecidas.

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública, cerca de 150 militares trabalham diretamente no resgate das vítimas. As equipes conta com o apoio de cinco cães farejadores, drones e uma plataforma mecânica que possibilita uma visão elevada de toda a estrutura. A Polícia Militar do estado isolou a região. O Exército enviou 15 homens para o local para auxiliar nos resgates.

O prefeito da cidade de Fortaleza, Roberto Cláudio, prometeu uma “resposta clara a respeito das responsabilidades de pessoas envolvidas no acidente”. De acordo com ele, órgãos de fiscalização urbana não tinham nenhuma informação sobre obras em andamento no edifício. Este é o segundo caso de desabamento na capital cearense em 2019.

Publicidade

Uma das vítimas que foi retirada com vida dos escombros chegou a perceber falhas na estrutura da edificação onde morava com a família. Um dia antes da queda, enviou fotos de ferragens e pilares danificados para colegas da faculdade. Davi Sampaio, de 22 anos, apresenta estado de saúde estável e sente apenas uma dor no tornozelo.

Falhas na estrutura do prédio que desabou em Fortaleza foram registradas por vítima dias antes da tragédia Davi Sampaio/VEJA
Publicidade