Clique e assine a partir de 9,90/mês

Ex-prefeito de Platina e filho são mortos durante perseguição policial

O carro que eles estavam foi abordado durante um bloqueio mas o motorista acelerou. Policiais alegaram que os dois ocupantes do veículo atiraram primeiro

Por Estadão Conteúdo - 20 jun 2019, 15h13

O ex-prefeito da cidade paulista de Platina Benedito Carlos Clausen, de 72 anos, e o filho dele Gilberto Jean Lopes Clausen, de 47 anos, foram baleados e mortos durante perseguição pela Polícia Militar (PM) na tarde desta quarta-feira, 19, em Assis, interior de São Paulo. Os policiais alegaram que os dois ocupantes do veículo atiraram contra eles.

De acordo com a Polícia Civil, o carro em que o ex-prefeito estava com o filho foi abordado durante um bloqueio na rodovia municipal Manoel Fernandes, entre Assis e Lutécia, mas o motorista acelerou e teve início uma perseguição. Quando os policiais alcançaram o automóvel em fuga, o condutor jogou o carro contra a viatura, que acabou capotando.

Um policial foi atingido pelo carro ao sair da viatura e teve fratura no braço. O veículo dos suspeitos caiu em uma valeta e eles fugiram para um canavial. Conforme os policiais militares, os homens atiraram e, no revide, foram baleados. Pai e filho morreram no local. Nenhum policial foi atingido pelos disparos.

A equipe da PM apresentou à Polícia Civil de Assis uma pistola 765 e uma espingarda calibre 12 que estavam em poder dos suspeitos. Além do policial atropelado, outros dois PMs tiveram ferimentos na cabeça durante o acidente com a viatura. Eles foram atendidos em hospitais de Assis e liberados. A Polícia Civil abriu inquérito para apurar a ação. A PM informou que o caso também é alvo de apuração pela sua Corregedoria.

Continua após a publicidade

O ex-prefeito de Platina, também conhecido como “Dito Quati”, governou a cidade – de cerca de 3.000 habitantes – de 1989 a 1992, mas depois teria enveredado para o crime. Em 1995, ele foi preso em Londrina, no Paraná, acusado de manter um laboratório para refino de drogas.

Em outubro de 2002, ele voltou a ser preso, junto com o filho Gilberto, acusados de integrarem uma quadrilha de ladrões de veículos importados. No mesmo ano, os dois foram resgatados de um minipresídio da 9ª Subdivisão Policial de Maringá. Recentemente, pai e filho teriam participado de um roubo em Bauru (SP) e, segundo a polícia, estavam escondidos em uma chácara da região.

Publicidade