Clique e assine a partir de 9,90/mês

Esquema na Petrobras envolvia cartel de empreiteiras, diz Costa

À Justiça, ex-diretor da companhia indicou que a empresa tinha uma administração paraestatal, formada por empreiteiras envolvidas no petrolão

Por Rodrigo Rangel e Hugo Marques, de Brasília - 9 out 2014, 12h39

No depoimento que prestou nesta quarta-feira à Justiça, o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa revelou que a organização criminosa que operava na estatal era muito mais sofisticada do que parecia. Segundo ele, havia um cartel de grandes empreiteiras que escolhia as obras, decidia quem as executaria e fixava os preços. Era como se a companhia tivesse uma administração paraestatal.

Reinaldo Azevedo: Depoimento atinge o coração do PT

Costa listou oito empreiteiras envolvidas no cartel: Camargo Corrêa, Andrade Gutierrez, Galvão Engenharia, Iesa, Engevix, Mendes Junior e UTC – e os nomes de seus interlocutores em cada uma delas.

As empreiteiras superfaturavam os custos e repassavam até 3% do valor dos contratos para os “agentes políticos”. No caso da diretoria de Abastecimento, comandada por Paulo Roberto Costa, o dinheiro desviado era dividido entre o PT, o PMDB e o PP. Confira a seguir trechos do depoimento:

Continua após a publicidade

Leia também:

Contadora diz que ex-ministro indicou empresa para doleiro

Revelações vão “chocar o país”, diz o doleiro Alberto Youssef

PF intima empresas que abasteceram esquema na Petrobras

Continua após a publicidade

“Na realidade o que acontecia dentro da Petrobras, principalmente a partir de 2006 para frente, era um processo de cartelização.

“Ficou claro para mim esse, entre aspas, acordo prévio entre as companhias em relação às obras. Existia claramente e isso me foi dito pelas empresas que havia uma escolha de obras dentro da Petrobras e fora da Petrobras. Por exemplo, usina hidrelétrica de tal lugar, neste momento qual empresa está mais disponível para fazer? E essa cartelização obviamente resulta num delta preço (diferença de preço) excedente.”

“Na área de petróleo e gás, essas empresas, normalmente, entre os custos indiretos e seu lucro, o chamado BDI, elas normalmente colocam algo entre 10 e 20%. O que acontecia especificamente nas obras da Petrobras? Por hipótese, o BDI era 15%? Então se colocava em média 3% a mais. E esses 3% eram alocados para agentes políticos. Em média, 3% de ajuste político.”

Publicidade