Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Black Bloc planeja endurecer manifestações no Rio

Grupo pretende resistir à abordagem policial e evitar apreensão de materiais perigosos. PM avisa que não vai mudar forma de atuação durante as manifestações

Por Pâmela Oliveira, do Rio de Janeiro 14 ago 2013, 13h25

O nível de tensão entre policiais e manifestantes vai subir esta quarta-feira no Rio. Responsável pelas ações mais violentas por parte dos manifestantes, o grupo Black Bloc planeja endurecer as ações e não permitir revistas por parte dos policiais – algo que vinha ocorrendo sem conflito desde que, durante a visita do papa, os policiais passaram a atuar com nomes destacados e coletes com códigos, para serem denunciados em caso de abuso. Em páginas do Facebook, foram espalhadas recomendações para os integrantes que pretendem participar do protesto de hoje, programado para começar na Praça São Salvador, em Laranjeiras, e seguir até o Palácio Guanabara, sede do governo estadual. O prédio já está cercado por alambrados.

LEIA TAMBÉM:

LEIA TAMBÉM: Os protestos desta quarta-feira pelo Brasil

Moradores da Penha acusam PM de matar adolescente

A principal orientação dos mascarados é para que os manifestantes não permitam a revista e chamem o grupo inteiro para evitar a abordagem policial. Assim, pretendem dificultar a apreensão de bombas caseiras, o porte de pedras e coquetéis molotov. “Grite ‘revista’! Queremos ver a polícia prender 50, 100, 300 pessoas de uma só vez. Isso não vai ser exclusividade do BB (Black Bloc). Outros grupos de esquerda também estão seguindo essa orientação de NÃO às revistas”, diz um comunicado postado na terça-feira.

Continua após a publicidade

Na mesma publicação, o grupo recomenda que seus integrantes mantenham-se unidos no protesto. O objetivo é formar um grupo compacto para dificultar a penetração de policiais – que podem identificar suspeitos de agressões. Desde a manifestação do dia 25 de junho, no Leblon, policiais fardados e identificados andam entre os manifestantes. “O bloco deve ser unido, sem policiais no meio. Se perceberem qualquer tipo de inserção no nosso meio, pare e chame o grupo para reagrupar”, determina o black bloc no Facebook.

Polícia Militar – A estratégia do Black Bloc traz problemas para a polícia. Um dos objetivos da tropa, liderada pelo tenente coronel Mauro Andrade, do Grupamento de Policiamento de Proximidade e Multidões, é identificar pessoas com materiais perigosos, como coquetéis, pedras, facas, fogos de artifício e estilingues usados para lançar pedras e bombas caseiras contra a polícia.

Procurado pelo site de VEJA, o tenente coronel Mauro afirmou que o grupamento acompanhará a manifestação desta quarta-feira e que não mudará a forma de atuação. “Fazemos um policiamento preventivo. As revistas estão coibindo o uso rojões, usados contra a polícia, e de coquetéis molotov. Temos encontrado, inclusive, esses materiais no chão. Acreditamos que os manifestantes, quando percebem que há revista, abandonam os produtos”, conta o policial, que lidera um grupo de 120 homens.

Outra constatação do tenente-coronel é que o tamanho das bombas incendiárias apreendidas tem diminuído. Segundo o policial, os mais radicais estão confeccionado coquetéis molotov com recipientes menores para tentar escapar da revista dos policiais, que têm como alvo principal pessoas com mochilas.

Leia também:

Protesto na Alerj cobra solução para sumiço de Amarildo

Em gravação, traficante diz ter matado Amarildo para incriminar policial

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)