Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

‘Barbie fascista’: esta imagem não é exatamente o que parece

Manifestação de jovem que pedia o fim das universidades era provocação de militante de esquerda infiltrada em ato a favor de Bolsonaro

A imagem de uma loira de óculos escuros cercada por pessoas com a bandeira do Brasil, trajando o verde-amarelo da seleção brasileira e empunhando um cartaz em que denunciava o PT por ter “acabado” com sua vida se espalhou pelas redes sociais e WhatsApp pela pauta inusitada que ele defendia: “Chega de universidades!” “Armas, sim; bolsas, não!”.

Tudo não passava, entretanto, de uma “trollagem”, como define a ativista de esquerda e youtuber Mariana Motta, do Canal Púrpura, que se infiltrou nas hostes de apoiadores de Jair Bolsonaro (PSL) na manifestação a favor do presidente que reuniu milhares na Avenida Paulista no último domingo, 26. Sua personagem ganhou o nome de “Barbie Fascista”, apelido dados pelas redes sociais a meninas bem-nascidas que reproduzem discursos mais conservadores, à direita.

A pregação antiacadêmica se somou a frases em homenagem ao ensaísta de direita Olavo de Carvalho, contra a “ditadura gayzista” e pelo fim da “heterofobia” — todas estampadas em cartazes também empunhados pela ativista. Formada em arquitetura e urbanismo e moda, a youtuber conta que uma das inspirações para os cartazes que exibiu foram os comentários que costuma receber em suas páginas na internet.

“Eu sempre fui muito atacada. Uma ótima resposta que eu poderia dar era colocar as frases que essas pessoas me enviam pelo canal e me vestir como elas para ver até que ponto eu ficaria mimetizada naquele meio. Foi exatamente o que aconteceu. Durante mais de uma hora de live eu andei livremente. Teve gente que aplaudiu. Teve quem nem notou minha presença e quem olhou o cartaz e achou ok.”

Não é a primeira vez que ela vai a uma manifestação de simpatizantes da direita como a de domingo. Para expor o que considera absurdos ecoados pelo público que defende o armamento, a família tradicional e os “direitos humanos para humanos direitos”, ela conta que já se passou por estudante de jornalismo.

Embora nunca tenho sido agredida, conta que dessa vez foi descoberta por um manifestante que a reconheceu da internet — seu canal no YouTube contabiliza mais de 910 mil visualizações — e queria saber por que ela havia mentido. “Comecei a transpirar, mas eu queria pegar aqueles depoimentos. Não forcei ninguém a falar nada. As pessoas que olhavam para a câmera e sentiam vontade de falar que queriam ver o Lula fuzilado.”

Na última manifestação, transmitida em seu canal no YouTube e no Facebook, Mariana afirma que tomou o cuidado de ir com um colega que ficava atento a olhares desconfiados de uma militante que alternava gritos contra a aposentadoria com pedidos de liberdade ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva — estes mais audíveis para quem a acompanhava pela internet.

“O disfarce me fez sentir mais confortável. Alguns estranhavam o fato de as frases não fazerem parte da pauta [que defendia o governo, a reforma da Previdência e o pacote anticrime]. No máximo, ficavam meio confusos”, relata. “Teve uma senhora que parou, leu o cartaz com calma e fez um sinal de positivo. ‘Essa é a juventude de que a gente precisa’. Me deu uma tristeza muito grande porque ela teve tempo para pensar no que estava escrito.”

Embora não descarte participar de outros atos da direita, ela acha que não é possível repetir a dose no mesmo formato. “Já ficou marcado. Teria que ser uma coisa também não agressiva e mais estratégica. Estou pensando em fazer o personagem em meus vídeos, em casa. Na rua não dá mais.”

Mas a estratégia não pode reforçar, a partir de agora, o discurso de que as manifestações mais extremadas são obra de infiltrados? “É possível, mas na internet, isso se dissolve porque as pessoas acham os perfis umas das outras muito rapidamente. Isso vai acontecer fatalmente porque eles [os bolsonaristas] não querem escutar. Então, se você falar para qualquer um deles que tudo que eles repetem é fruto de fake news, eles não vão acreditar. O próprio Bolsonaro trabalha com essa lógica: ele fala e desmente, muda”, teoriza.

Perfil

Em casa, Mariana reconhece que a animosidade entre direita e esquerda se repete nas relações da família, que ela enquadra no mesmo perfil do público que foi às ruas defender o governo Bolsonaro — exceto a mãe, a quem diz ter “esquerdizado”, embora veja certo radicalismo em sua militância. “O resto da família ébolsominion’ (apelido dado aos bolsonaristas mais fervorosos) no nível de me ofender nos meus posts. Rola um climão.”

Estudante de um dos colégios mais tradicionais de São Paulo na infância e adolescência, o Santa Cruz, Mariana conta que o despertar para o ativismo político só veio na segunda faculdade que começou na Universidade Federal de Minas Gerais (o curso de moda foi concluído em São Paulo), já que a estudante de arquitetura do Mackenzie ela define como “coxinha” — e provável alvo do deboche da youtuber de 2019. “Eu agradeço o universo por esse estouro do impeachment e dos bolsominions não ter acontecido antes. Porque certamente eu ia ser a pessoa que estaria no carro do MBL (Movimento Brasil Livre)”.

Quando eu tive que fazer cursinho para entrar em moda, eu já tinha mais maturidade do que quando eu cursei a primeira faculdade e tive um professor de história que me inspirou muito. Nessa época eu comecei a tomar gosto pela militância e já organizava protestos relacionados às pautas LGBT, só não imaginava que eu iria participar tanto. Os cursos que tenho relacionado à política foram nas aulas que fiz paralelamente à graduação em moda na UFMG.”

Mariana rejeita, entretanto, que esse processo tenha qualquer relação com a chamada doutrinação esquerdista nas universidades que os militantes de direita fazem questão de denunciar e usam para desqualificar atos como os protestos contra os bloqueios no orçamento da educação promovido pelo governo — e de certa forma foram a causa da reação bolsonarista do último domingo.

“Mesmo no colégio, apesar de ter várias aulas voltadas para um pensamento mais progressista, até hoje os ex-alunos são maciçamente de direita. Há uma oxigenação do pensamento na faculdade porque a gente passa a conviver com outras realidades, com alunos de programas sociais muito bons, como o Prouni, e que nos mostra que o mundo não igual àquele da escola particular.”

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. André Liberdade de Expressão é meu direito CF Art Quinto

    Universidades do Lula? Quais? Ah! Aquelas que formam 50% de universitários analfabetos funcionais! A tal geração “diproma”! De baixíssimo QI! Dos estudantes que não estudam!

    Curtir

  2. Rodson Layne Luiz Barbosa

    Adestradinha, a moçoila aí, né!!? Eu sei bem como funcionam as disciplinas das áreas de humanas nas universidades. Ah, a frase “Essa é a juventude de que a gente precisa” foi, com certeza, mera ironia. Mas a capacidade intelectual altamente desenvolvida da youtuber não a permitiu entender…kkk

    Curtir

  3. Joga um livro, um caderno ou uma caneta e esse povo saí correndo como vampiro do alho.

    Curtir

  4. antonio santos

    Por aí se vê como é diferente os movimentos! Se alguém se infiltrar no ato de hoje com cartaz a favor das reformas, certamente será linchado!

    Curtir

  5. Paulo Bandarra

    claro que não houve reação. Qualquer um vê que é uma idiota. A direita não via nas ruas para brigar e fazer vandalismo.

    Curtir

  6. João Castro

    Queria ver se, nas manifestações, fossem proibidas câmeras fotográficas, celulares e filmadoras. Não apareceria ninguém! A grande maioria vai pra fazer selfies e lives!!!

    Curtir

  7. Paulo Bandarra

    A Barbie era falsa. Só a fascista era verdadeira.

    Curtir