Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Deputado gaúcho que chorou por ‘lista de Janot’ é inocentado

Jerônimo Goergen e outros quatro deputados gaúchos do PP tiveram os processos do ‘inquérito mãe’ da Lava Jato arquivados

Quando concedeu uma entrevista coletiva em Porto Alegre para comentar seu nome na “lista de Janot”, em 9 de março de 2015, o deputado federal Jerônimo Goergen (PP-RS) chorou. Goergen dizia que não tinha relação nenhuma com o doleiro Alberto Yousseff. O delator falou em depoimento que a bancada gaúcha do PP dividia entre si até 1,5 milhão por mês.

Dois anos e meio depois, Goergen se diz aliviado por ter sido inocentado. O procurador-geral da República, Rodrigo Janot arquivou o processo de Goergen ligado ao “inquérito mãe” da Lava Jato. “É uma sensação de alívio. Agora mesmo fui lá no plenário (em Brasília) e voltei a acreditar que vale a pena essa vida pública”, disse a VEJA nesta quarta-feira.

A notícia do arquivamento, porém, não o surpreendeu como ocorreu quando viu seu nome na lista, em 2015. Por isso, agora, não chorou. “Chorar eu não chorei porque a minha consciência estava tão tranquila. Tinha certeza que, quanto mais a fundo fossem (na investigação), mais tranquilo eu ficaria”, contou à reportagem.

Outros quatro deputados gaúchos do PP, Afonso Hamm, Jerônimo Goergen, Luiz Carlos Heinze e Renato Molling, também foram inocentados. Apenas José Otávio Germano aparece na lista dos denunciados pela PGR – dos 30 nomes iniciais, 18 tiveram as denúncias arquivadas.

Goergen conta que foi “o primeiro a depor na Lava Jato” voluntariamente, sem ser intimado. “Abri todos os meus sigilos”, relata o deputado

Corte de cargos e emendas

Goergen, ao contrário da orientação do seu partido, votou contra Temer na sessão que decidia se o presidente deveria ou não ser investigado por corrupção passiva. Na ocasião, a bancada do PP gaúcho ficou dividida.

O voto desfavorável ao presidente teve consequências. Goergen teve três cargos federais sob sua tutela cortados no Rio Grande do Sul e até agora não recebeu a maior parte do valor das emendas federais a que tem direito. “Paguei o preço da coerência. Inclusive coloquei os cargos à disposição”, contou a VEJA.

“Antes de votar fui lá e avisei que não era por ser contra o governo, que tinha um caminho bom. Eu votei contra Dilma, contra Cunha, não tinha como votar pelo Temer, por coerência. O presidente teve a conversa com o cara errado (Joesley Batista) e a gente está vendo tudo…”, disse.

Ricardo Saud

Na delação de Ricardo Saud, diretor da JBS de Joesley Batista, o empresário citou o nome de Jerônimo Goergen entre os parlamentares que receberam verba da JBS. O gaúcho diz que a doação foi legal e tem o recibo do valor doado. “A gente está vendo a baderna e a sacanagem que foi essa delação dos caras”, comenta.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Renato Figueiredo

    Teatro. Se chorar ou se fingir de doente.. é inocentado pelas nossas cortes. Mas o dinheiro que roubam jamais é devolvido..

    Curtir