Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Jornalista Ricardo Boechat morre em queda de helicóptero

Apresentador estava em aeronave que caiu na Rodovia Anhanguera, próximo ao Rodoanel, em São Paulo. Piloto também não sobreviveu

O jornalista Ricardo Boechat, de 66 anos, apresentador da TV Bandeirantes e da rádio BandNews FM, morreu na queda de um helicóptero nesta segunda-feira, 11.

A aeronave caiu na rodovia Anhanguera, próximo à altura do quilômetro 7 do Rodoanel, em São Paulo. Antes de cair no solo, o helicóptero se chocou com um caminhão que acabara de deixar uma praça de pedágio. Além de Boechat, o Corpo de Bombeiros encontrou o corpo do piloto da aeronave, Ronaldo Quattrucci, carbonizado.

O chamado de socorro após o acidente foi feito às 12h14, horário em que os bombeiros comunicaram sobre a queda de uma aeronave por meio de sua conta no Twitter. 

O helicóptero que levava Boechat estava retornando de Campinas, onde o jornalista havia feito uma palestra em encontro da Libbs, empresa da indústria farmacêutica.

Conforme os bombeiros e a concessionária CCR Rodoanel Oeste, responsável pela administração do Rodoanel, o motorista do caminhão foi resgatado de dentro do veículo com ferimentos. Ainda não há informações sobre a identidade dele. 

Segundo o Registro Aeronáutico Brasileiro (RAB), o helicóptero Bell, matrícula PT HPG, está no nome da RQ Serviços Aéreos Especializados Ltda. e tinha documentação dentro da validade.

De acordo com o RAB, o certificado de aeronavegabilidade (CA) da aeronave venceria em maio de 2023 e a inspeção anual de manutenção (IAM) precisaria ser feita novamente apenas no dia 16 de maio de 2019.

As causas do acidente ainda são desconhecidas e serão investigadas pelo Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), da Força Aérea Brasileira (FAB), que informou estar realizando a ação inicial da ocorrência, início do processo de investigação.

Jornalista deixa seis filhos

Ricardo Boechat era casado com a também jornalista Veruska Seibel e deixa seis filhosBeatriz, 43 anos, Rafael, 39, Paula, 38, Patrícia, 30, Valentina, 14, e Catarina, 11. No telejornal e na rádio, ele se referia aos filhos pelo termo carinhoso de “minhas crianças”.

As duas filhas menores não sabiam da tragédia noticiada por estarem no colégio, então alguns parentes foram pegá-las no começo da tarde para que não soubessem da notícia por terceiros.

Ao anunciar a morte de Boechat, o apresentador José Luiz Datena não conseguiu segurar a emoção. Na homenagem, disse que o anúncio era um dos piores momentos de sua vida.

“O maior âncora da televisão brasileira, Ricardo Boechat morreu hoje em um acidente de helicóptero no Rodoanel, em São Paulo”, informou Datena. “Ele foi a Campinas fazer uma palestra. O helicóptero em que ele estava não chegou ao seu destino, que era o heliponto da Band.”

 (TV Globo/Reprodução)

A trajetória de Boechat

Ricardo Boechat era um dos jornalistas mais respeitados do país. Âncora do Jornal da Band, apresentador da BandNews FM e colunista da revista Istoé, passou também, ao longo de sua carreira de quase cinco décadas no jornalismo, por jornais impressos de grande circulação, como O Globo, O Estado de S. Paulo, Jornal do Brasil e O Dia. 

Boechat nasceu em Buenos Aires, Argentina, em 13 de julho de 1952. Mal saído da adolescência, trabalhava como assessor de imprensa, mas tentava dar início a uma carreira como repórter. Seu primeiro trabalho em uma redação surgiu na década de 1970, no extinto Diário de Notícias, como assistente do colunista Ibrahim Sued. Na década seguinte, assumiu a Coluna do Swann, do jornal O Globo, onde ficou até 1997, quando ganhou outra coluna no periódico, com seu próprio nome.

Por dois anos, entre 1986 e 1988, escreveu para o jornal O Estado de S. Paulo. Nesse meio tempo, em 1987, por alguns meses, atuou como secretário de Comunicação Social do governo de Moreira Franco, no Rio de Janeiro. Sua passagem pela política também incluiu, anteriormente, o trabalho como assessor de imprensa de Moreira, quando este era prefeito de Niterói (RJ), e como coordenador de campanha do político para o governo do Rio, em 1982.

Nos anos 1990, passou pela Rede Globo, como comentarista do Bom Dia Brasil. Ingressou na Band como diretor de jornalismo da sucursal do Rio de Janeiro. Em 2006, tornou-se âncora do principal jornal da casa, o Jornal da Band.

Lançou o livro Copacabana Palace – Um Hotel e sua História, sobre o famoso hotel carioca, em 1998. Ganhou três prêmios Esso e dezoito prêmios Comunique-se, tendo se tornado o maior ganhador da premiação.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Márcio Ferreira

    Veja foi odiosa e execrável ao tentar dar um “furo” e noticiar a morte do Boechat sem contatar a família antes. Não pretendo renovar minha assinatura.

    Curtir