Clique e assine a partir de 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Com onda do coronavírus crescendo, Bolsonaro agora boicota Mandetta

Presidente passou a minar o trabalho do ministro da Saúde por reprovar sua atuação junto ao governo do 'inimigo' João Doria

Por Robson Bonin - Atualizado em 16 mar 2020, 21h50 - Publicado em 16 mar 2020, 19h42

A crise do coronavírus ganhou nos últimos dias um componente explosivo nos bastidores do governo. Como fez com outros ministros que se destacaram na atuação da máquina, Jair Bolsonaro passou a perseguir e minar, recentemente, o trabalho do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta.

O motivo? Bolsonaro sentiu-se traído ao ver o auxiliar atuando em parceria com o governador de São Paulo, João Doria, na formação de um plano de contingência frente ao avanço do coronavírus no país. Mandetta, o chefe da Saúde, foi duramente cobrado pelo presidente, recentemente, quando surgiu ao lado de Doria falando do coronavírus.

Em seguidas ligações, Bolsonaro infernizou o auxiliar. “O Mandetta, o que você está fazendo aí ao lado desse Doria”, teria dito Bolsonaro ao ministro, segundo relato de uma testemunha do entrevero.

Médico por formação, Mandetta, pessoalmente mexido com a emergência global, tentou explicar ao presidente o sentido de atuação republicana. “Presidente, como ministro da Saúde, estou apenas cumprindo com minhas obrigações”, disse Mandetta a Bolsonaro, segundo três fontes relataram ao Radar.

O chefe, cego pela luta política, não aceitou as explicações. Sem poder demitir o auxiliar, reconhecidamente elogiado no momento pelo trabalho na luta contra a crise, o presidente passou a atuar nos bastidores para minar a operação montada pelo seu próprio governo.

A face mais visível dessa atuação ocorreu no domingo, quando Bolsonaro quebrou a própria quarentena para buscar o contato físico com um grupo que se aglomerava na frente do Palácio do Planalto, mas outros lances nada elegantes ocorreram.

Continua após a publicidade

Criticado por diferentes autoridades ao estimular os protestos do domingo, colocando a saúde de milhares em risco, Bolsonaro humilhou a equipe de Mandetta ao fazer pouco caso do plano de prevenção bolado por um time de técnicos que vem trabalhando durante incansáveis horas para driblar dificuldades estruturais do sistema de modo a evitar um apagão na saúde ante a explosão de casos de coronavírus.

Aliados do ministro da Saúde perceberam o abatimento de Mandetta diante da sabotagem explícita do presidente da República. “Ele não gostou, ficou magoado. Mas o sentimento de médico está falando mais alto”, diz um aliado.

Não foi jogo combinado, mas a atuação de Ronaldo Caiado, governador de Goiás e amigo de Mandetta dos tempos de mandato na Câmara dos Deputados, reprovando duramente a insanidade bolsonarista nas ruas, acabou servindo de resposta ao Planalto. Mandetta, em entrevista no domingo, também deixaria evidente sua posição contrária ao comportamento do presidente.

Considerado um quadro técnico do governo, Mandetta caiu em desgraça por flertar com a mente paranoica do presidente. Ao atuar em parceria com o governo de São Paulo e do Rio, redutos de adversários de Bolsonaro, passou a ser visto com desconfiança.

Os dois principais estados do país, apesar de governados por desafetos de Bolsonaro, formam também o epicentro da contaminação de coronavírus. Nada mais natural que o ministro da Saúde atuasse nessas áreas. Para Bolsonaro, não. Não interessam as consequências da pandemia, os inimigos não devem ser socorridos pelo governo. E ponto.

O esforço de Mandetta em tratar a pandemia de forma técnica, não política, foi reconhecido por Doria. “O ministro Mandetta atua de forma correta, diligente e tem conduzido de modo republicano o trabalho em São Paulo”, disse ao Radar.

Na edição de VEJA que está nas bancas, o Radar mostra como Bolsonaro vem usando o governo para asfixiar Wilson Witzel no Rio. Ele proibiu seus ministros de receberem o governador e até segurou o fluxo de repasses de verbas aos órgãos federais no estado. Tudo em nome de uma guerra familiar que envolve seus filhos e investigações policiais. Pelo visto, a ideia era usar a crise do coronavírus para fazer o mesmo com Doria em São Paulo. Mandetta não deixou.

Continua após a publicidade
Publicidade