Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Bolsonaro boicota Witzel na Esplanada e agrava crise no Rio de Janeiro

Presidente proibiu os ministros do governo de receber Witzel, desacelerou repasses federais e agora inviabiliza pleitos no Congresso

Por Mariana Muniz, Robson Bonin Atualizado em 13 mar 2020, 10h24 - Publicado em 13 mar 2020, 06h06

Jair Bolsonaro está tão cego em sua guerra com Wilson Witzel que decidiu condenar o próprio Rio de Janeiro. Ele fechou as portas do governo ao rival. Proibiu os ministros de receber Witzel, desacelerou repasses federais e agora inviabiliza pleitos no Congresso.

Witzel tinha, na quarta, audiências com o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra, e com o líder do Congresso, Eduardo Gomes para discutir um projeto que teria interesse do próprio governo. Ambos, segundo o governador, desmarcaram na última hora a conversa por orientação do Planalto.

O boicote presidencial agrava a situação do Rio, que já sofre com a pandemia do coronavírus e com a queda de arrecadação de royalties do petróleo na briga entre a Rússia os sauditas.

Publicidade