Clique e assine a partir de 9,90/mês
Mundialista Por Vilma Gryzinski Se está no mapa, é interessante. Notícias comentadas sobre países, povos e personagens que interessam a participantes curiosos da comunidade global. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Mundo sem máscara: cada um por si e o vírus contra todos

Discurso nacionalista do presidente da França indica mudanças provocadas pela falta de produtos básicos, feitos na China, para enfrentar a epidemia

Por Vilma Gryzinski - Atualizado em 1 abr 2020, 07h34 - Publicado em 1 abr 2020, 07h28

Por que todos os chineses foram obrigados a usar máscaras quando explodiu o novo coronavírus e em outros países elas foram descartadas como “não recomendadas”, necessárias apenas para profissionais de saúde ou até “inúteis”?

A resposta é tristemente simples: não tem máscara para todo mundo. 

A falta de um produto banal, cujo fornecimento foi interrompido quando os chineses precisavam se proteger, provocou uma reação agressiva de Emmanuel Macron ao visitar uma fábrica que mudou a produção para fazer máscaras.

“Nossa prioridade é produzir mais na França e na Europa. Esta crise nos ensina que se impõe uma soberania europeia sobre certos bens, produtos e materiais”, disse o presidente francês.

Com ligeiras modificações, poderia ser um discurso feito por Marine Le Pen. Ou por qualquer dos  líderes nacionalistas ascendentes. Ou, ainda, coerente com a antiga linha do regime militar brasileiro.

Setores estratégicos, chamavam-se.

Não só a Europa, como os Estados Unidos, sem falar nos países periféricos, descobriram, em plena crise, que estão desprovidos de um instrumento de sobrevivência.

As máscaras são o produto mais evidente, pela urgência imediata, mas há uma longa lista de outros, indo de princípios ativos para remédios a equipamentos hospitalares e toda a cadeia necessária para sustentá-los.

“Devemos reconstruir nossa soberania nacional e europeia”, proclamou Macron.

A palavra-chave é “nacional”. Como todo o resto do mundo, os membros da União Europeia saíram correndo cada um por si. 

São os serviços de saúde nacionais que estão enfrentando a crise e todos os discursos sobre paneuropeísmo esvaziam-se diante de uma emergência dessas proporções.

Não é a primeira vez que Macron, considerado, injustamente, pela esquerda como um mero menino de recados dos mercados pelas reformas agora arquivadas de arejamento da economia francesa, fala grosso.

Logo depois de seus erros iniciais, ao liberar concentrações como a marcha das mulheres de 8 de março e depois o primeiro turno das eleições municipais, ele já havia feito uma análise bem dura.

“Há bens e serviços que estão acima das leis do mercado”, disse.

As quantidades astronômicas de dinheiro injetadas para segurar a quebradeira econômica também mostram que emergência é emergência.

“O Federal Reserve virou o banco central do mundo”, resumiu o site Bloomberg

Essas transfusões de liquidez em massa feitas pelo banco americano estão segurando, por enquanto, uma corrida ao dólar e as falências em cadeia em escala global.

Mas é o caso das máscaras que mais chama atenção pelo imediatismo material para as pessoas comuns.

A virada – de “desnecessárias” para necessárias, e muito – já foi anunciada pelo “médico mais importante do mundo”, Anthony Fauci, o infectologista que domina a área médica da equipe do governo americano.

À sua maneira diplomática, mas sem margens a dúvida, disse Fauci: “A ideia de conseguir um uso comunitário muito mais amplo, fora do ambiente dos serviços de saúde, está sendo discutida muito ativamente pela força-tarefa”.

Numa entrevista à Science, George Gao, diretor do Centro de Controle e Prevenção de Doenças da China, já tinha feito uma análise bem crua sobre os efeitos da falta de máscaras.

“O maior erro nos Estados Unidos e na Europa, na minha opinião, é que as pessoas não estão usando máscaras”, disse o cientista, especialista em vírus com membranas finas de lipídeos  – o tipo do maldito que se infiltra eficientemente nas células como o corona.

Continua após a publicidade

A transmissão invisível, pela fala e outras partículas, é especialmente amplificada quando o portador não tem sintomas, como em data não muito distante será a maioria das populações.

A ironia, involuntária, do cientista chinês é que o uso da máscara não se propagou justamente porque não existem máscaras para todos os habitantes de lugares infectados do planeta. Ou seja, o mundo todo.

Com o refluxo da epidemia na China, as linhas de produção estão sendo redirecionadas para atender o resto do mundo.

Mas nem os chineses conseguem suprir a demanda, mesmo tendo operado milagres como a construção de uma nova fábrica em onze dias – exatamente como o hospital de campanha erguido em Wuhan para isolar casos menos graves (outra medida considerada vital que não está sendo feita na Europa e Estados Unidos). 

Mais números chineses, recolhidos numa plataforma de negócios: em janeiro e fevereiro, 8 950 novas linhas de produção passaram a fazer máscaras.

Segundo avaliação do New York Times feita há uma semana, a China está produzindo atualmente 116 milhões de máscaras por dia. Doze vezes mais que antes da epidemia.

O governo comunista se permite até fazer gestos de “diplomacia das máscaras”, com doações a países desesperados.

No passado recente, eram “emprestados” ursos pandas a zoológicos estrangeiros, hoje são máscaras.

E se a China escolher quem vai ou não recebê-las?

Israel já pôs até o Mossad para arranjar máscaras com um país não mencionado. 

Peter Navarro, diretor de Comércio da Casa Branca que até recentemente estava envolvido no confronto comercial com a China, foi deslocado para fazer o que todos estão fazendo: caçar equipamentos contra a epidemia e disse ao Times:

“Meu trabalho na Casa Branca no momento é ajudar a encontrar tudo que o povo americano precisa e comprar onde quer que for preciso”.

“Se a China ou qualquer outro país tem máscaras, luvas e outros equipamentos que precisamos para os americanos, recebemos de braços abertos”.

“O que não precisamos é de um exercício de propaganda durante uma crise que as atitudes do Partido Comunista Chinês tornaram mais grave do que deveria ser”.

Navarro foi escolhido, pré-vírus, justamente por ser um antagonista feroz da China.

Agora, outros países estão descobrindo virtudes do nacionalismo.

Pode ser passageiro, pode durar mais?

Não se sabe.

Mas não custa lembrar que a China domina as máscaras pelo mesmo motivo que tudo mais: um custo sem competição.

Hoje, a máscara que custa 1 centavo a caixa poderia ser vendida por 10 dólares a unidade.

Num momento em que Donald Trump apela aos americanos para se preparar para “os dias difíceis que virão pela frente”, “duas semanas muito dolorosas” e outros alertas que refletem a sinistra previsão de 100 mil a 240 mil mortos nos Estados Unidos, as pessoas comuns são lembradas que precisam daquelas máscaras que tantos especialistas disseram ser desnecessárias.

Na França, Macron prometeu que a França “atingirá a independência plena e completa” em produção de máscaras até o fim do ano (a aprovação ao presidente deu um salto, subindo para 43%).

A onda está rugindo.

Continua após a publicidade
Publicidade